Publicidade

cotidiano

"Mau gosto, diz dono de doceria de São Carlos em que nº 24 foi trocado em estacionamento

Situação foi denunciada por vereador que afirmou que repassará assunto ao Ministério Público e Secretaria de Justiça de São Paulo

| ACidadeON/São Carlos -

Número 24 foi trocado pelo 17 em loja de São Carlos. (Foto: Djalma Nery/ Redes Sociais)
A rede Doces Tiquinho se viu em meio a uma polêmica nesta semana, depois de que uma foto de seu estacionamento ter viralizado nas redes sociais. A vaga de número 24 ganhou o numeral 17, fato que gerou críticas na internet. O assunto veio à tona após publicação do vereador Djalma Nery (PSOL), que condenou o ocorrido. Ao acidade on, a empresa classificou como "brincadeira de mau gosto de alguém" a troca. O numeral 24 é, de forma discriminatória, ligado à homossexualidade.

O caso foi denunciado pelo vereador em redes sociais e na Câmara Municipal. Na tribuna, o parlamentar afirmou que encaminharia denúncias ao Ministério Público e também à Coordenadoria Estadual de Políticas para a Diversidade Sexual da Secretaria Estadual da Justiça e Cidadania. "A gente não pode aceitar isso como natural, essa síndrome infantiloide de quinta série. O empresário faz o que quer? Bom, se não for crime pode até fazer. E o consumidor pode fazer o que quiser também."

O caso veio à tona na semana passada em uma postagem do psolista em redes sociais. A foto do estacionamento subterrâneo da loja de doces mostra que o numeral 24 foi substituído pelo 17. A sequência 23, 17 e 25 causou estranheza. O numeral 24 é jocosamente associado a homossexuais, enquanto o 17 era a legenda do presidente Jair Bolsonaro nas últimas eleições. 
 
LEIA MAIS 
São Carlos realiza "Dia D" de arrecadação de agasalhos  
Prefeitura de São Carlos promove tarde de diversão para crianças de entidades  
1º Pedala Tour Rio Claro tem inscrições abertas; veja como participar


Na segunda-feira (20), a equipe do acidade on São Carlos esteve no local e constatou que a sequência numérica do estacionamento só apresenta ausência no 24. O adesivo do 17 voltou para o local habitual, antecedendo o 18. A mudança após a denúncia foi constatada pela marca do adesivo antigo que deixou um círculo na parede empoeirada.

O assunto rendeu discussões nas redes sociais. Entre os posicionamentos, uma seguidora afirma: "Infantil mesmo. Parece até que quem colocar na 24 vai virar gay. O povo se supera nas manifestações de preconceito". 
 
O que diz a empresa

O empresário Paulo Sérgio Ramires, diretor da Doces Tiquinho, classificou como "brincadeira de mau gosto" o ocorrido na unidade da rede na Avenida São Carlos.

"A empresa não tem muito o que se manifestar em relação a esse assunto. Isso foi um furto que aconteceu, uma brincadeira de mau gosto de alguém que substituiu essa placa. A placa já está restabelecida, está em seu lugar", afirmou.

O empresário afirmou que encara a questão da sexualidade "com muita naturalidade" e que "há funcionários na loja que são homossexuais".

Mês da Diversidade

A polêmica em torno do número 24 e o preconceito contra homossexuais acontece no mês da Diversidade Sexual. Em 28 de junho é comemorado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIAP+. A data relembra episódio ocorrido em 1969 em que frequentadores do bar Stonewall Inn realizaram levante contra as sequenciais batidas policiais motivadas pela intolerância.

No Brasil, o número 24 é informalmente associado a homossexuais. A explicação mais comum é que o numeral representa o animal veado no jogo do bicho.

A homofobia envolvendo o 24 gerou controvérsias que causou até questionamento da Justiça sobre a ausência da dezena em camisas usadas por jogadores da seleção brasileira nos jogos da Copa América, no ano passado.

No Senado Federal - casa legislativa que remonta à casa dos anciões da Roma Antiga, e portanto, guardiã da sabedoria da república clássica - o gabinete do famoso número ficou sumido por quatro anos, relatou a Folha em 2019.

Homofobia e transfobia são crimes

Em 2019, o Supremo Tribunal Federal decidiu que atos preconceituosos contra homossexuais e transexuais são enquadrados como crime de racismo.  

A criminalização prevê que "praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito em razão da orientação sexual da pessoa poderá ser considerado crime". A pena é de um a três anos, com multa. 
 
VEJA TAMBÉM 
Receita Federal libera consulta ao 2º lote de resgate do IR  
 
Veja apostas da região de São Carlos premiadas na Mega-Sena  
Concessionária lança novo sistema de pesagem de caminhões na Washington Luís

Publicidade