Publicidade

cotidiano

SP lança plano de enfrentamento da varíola dos macacos; veja

Rede terá hospitais estaduais, universitários e maternidades referenciados para casos graves e vai ampliar a testagem para detecção; entenda as medidas

| ACidadeON/São Carlos -

Governo de São Paulo lançou plano de enfrentamento da varíola dos macacos. Foto: Reprodução

O Governo do Estado de São Paulo anunciou nesta quinta-feira (4) o plano de enfrentamento da varíola dos macacos monkeypox, que inclui a definição de hospitais que serão referência para casos mais graves. Também foram apresentadas as ações para ampliação do diagnóstico, vigilância e capacitação da rede de saúde pública. 

Ao todo, serão 93 hospitais estaduais, universitários e de maternidade que darão retaguarda para casos com necessidade de internação de pacientes e leitos de isolamento ou Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Para casos leves, o atendimento ambulatorial será feito pelo próprio município através das Unidades Básicas de Saúde (UBS). 

A rede também terá vigilância laboratorial e genômica da Monkeypox através de laboratórios públicos e privados, sob o comando do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) e do Instituto Adolfo Lutz, que fará a vigilância genômica dos casos no Estado, acompanhando o comportamento da doença e análise do vírus em circulação.  

LEIA MAIS 

Descalvado confirma primeiro caso de varíola dos macacos 

Varíola dos macacos: vacina chega ao Brasil em setembro, diz ministério

Outros laboratórios também serão credenciados para a realização de exames PCR em Tempo Real e RT-PCR para detecção do DNA do vírus. Desta rede farão parte o Instituto Butantan e laboratório universitários e privados. 

Atendimento e capacitação
Até o momento foram realizadas três ações de capacitação e treinamento para cerca de 3 mil profissionais da saúde, iniciativa que será intensificada neste mês com as redes pública e privada. 

O Centro de Vigilância Epidemiológica do Governo de São Paulo também instalou um serviço 0800, com médicos plantonistas 24 horas à disposição para orientar e esclarecer dúvidas dos profissionais de saúde das redes pública e privada sobre diagnóstico e manejo clínico dos pacientes infectados com o vírus da Monkeypox.  

Série histórica da Monkeypox. Foto: Reprodução/Governo do Estado

A Rede Emílio Ribas de Combate à Monkeypox ainda terá uma sala de situação, já ativada. Denominada "Centro de Controle e Integração" (CCI), é formada por 24 especialistas de diferentes instituições, entre cientistas, epidemiologistas, virologistas, infectologistas e professores universitários. 

Segundo o governo estadual, os tratamentos para os pacientes são feitos com os medicamentos Tecovirimat, Cidopovir/Brincidovir e Triflovrodime. Para gestantes, o protocolo espacial prevê acompanhamento do município e indicação de parto cesárea em unidade de saúde de alto risco. 

Cenário epidemiológico
Hoje, São Paulo contabiliza 1.298 casos de monkeypox, sendo que 97% foram positivados em homens e a média de idade é de 33 anos. Na região, São Carlos confirmou dois casos e Rio Claro, Araras, Descalvado e Matão têm um caso confirmado. 

No Estado, entre os locais mais prováveis de exposição estão: domicílio (37,67%), festa com contato sexual (36,76%), ocupacional (11,19%) e bar sem contato sexual (7,31%). 

VEJA TAMBÉM 

Tecnologia na saúde transforma e facilita a experiência do usuário

Publicidade