Aguarde...

ACidadeON São Carlos

SÃO CARLOS
mín. 20ºC máx. 36ºC

Cotidiano

Vereadores pedem regulamentação do mototáxi em São Carlos

Uma minuta do projeto de lei foi entregue ao prefeito Airton Garcia, que se mostrou favorável a liberação desta opção de transporte

| ACidadeON/São Carlos

 

Serviço de mototáxi pode ser liberado em São Carlos (Foto ilustrativa)

O presidente da Comissão de Estudos do Transporte Alternativo da Câmara Municipal, vereador Gustavo Pozzi, acompanhado dos vereadores Moisés Lazarine e Cidinha do Oncológico, membros da Comissão, e do vereador Elton Carvalho, entregou na tarde dessa quinta-feira (9), ao prefeito Airton Garcia e ao secretário de Governo, Edson Fermiano, a minuta do projeto de lei para regulamentação do serviço de mototáxi no município.

"Temos uma legislação municipal que proíbe o mototáxi, portanto o empenho da nossa comissão é regulamentar o serviço, permitindo que as pessoas que queiram desempenhar essa função passem por um processo rigoroso, se profissionalizando realmente para oferecer o serviço. Entendemos que o mototáxi é mais uma alternativa, inclusive mais barata, de transporte para a população", explicou o presidente da Comissão ao prefeito Airton Garcia.

O vereador Gustavo Pozzi, ressaltou, ainda, que o projeto de lei prevê cadastramento dos motociclistas, exigência de habilitação na categoria, exame toxicológico, o veículo não pode ter mais que 8 anos de uso, além disso, será exigido o seguro do passageiro.

O prefeito Airton Garcia determinou que a minuta do projeto de lei seja encaminhada para o Departamento Jurídico e para a Secretaria de Transporte e Trânsito. "A população é a favor do mototáxi, mas precisamos garantir que tudo esteja dentro da lei, inclusive porque temos uma legislação federal. Sou a favor do mototáxi, com segurança para todos, sem bagunça no trânsito e com responsabilidade", disse o prefeito.

A chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, Ingridi Ienco Cazella, que recebeu a minuta do projeto, afirmou que vai encaminhar para análise dos técnicos da pasta. "Vamos abrir um processo administrativo para a tramitação desse projeto e na sequência encaminhar para a fiscalização, para os agentes de trânsito e para os técnicos do transporte semi público para análise de compatibilidade dele com a legislação federal. Se for aprovado, a lei que proíbe perde efeito".

O prazo é de 90 dias para que a Prefeitura encaminhe o projeto de lei para a Câmara Municipal.

Veja também