Publicidade

cotidiano

USP vai exigir vacinação de aluno e professor para volta à aula em 4 de outubro

As universidades já estão autorizadas a ofertar aulas presenciais no estado de São Paulo, com até 60% da capacidade para todos os cursos.

| FOLHAPRESS -

Entrada da área 2 da USP São Carlos. Foto: Divulgação
 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A USP (Universidade de São Paulo) planeja voltar com as aulas presenciais em 4 de outubro para os alunos e professores que tiverem recebido as duas doses da vacina contra a Covid-19.

Para o retorno presencial, a reitoria informou que vai exigir a apresentação do cartão de vacinação de todos os membros da comunidade acadêmica. Eles só poderão voltar 14 dias após terem recebido a segunda dose ou dose única.

Unesp e Unicamp também avaliam a volta das aulas presenciais quando todos estiverem completamente vacinados, mas ainda não definiram data.

As universidades já estão autorizadas a ofertar aulas presenciais no estado de São Paulo, com até 60% da capacidade para todos os cursos. As três instituições estaduais, no entanto, optaram por esperar até que todos os alunos estivessem imunizados.

Ainda que já tenha definido data para o retorno das aulas, a reitoria da USP destaca que as unidades têm autonomia para definir se vão exigir a frequência dos alunos, quais e quantas disciplinas serão ofertadas dessa maneira. Elas podem optar por continuar oferecendo atividades no modelo remoto ou híbrido.

A orientação da reitoria é que, mesmo a partir de 4 de outubro, continuem sendo priorizadas as aulas práticas no retorno presencial.

O segundo semestre letivo da USP começa no próximo dia 16 de agosto ainda com aulas remotas. Uma portaria será publicada nesta sexta (13) com as regras para o retorno presencial na universidade.

O governo de São Paulo prevê ter toda a população com mais de 18 anos com ao menos uma dose da vacina até 16 de agosto -a depender do imunizante que receberem, a vacinação só estará completa em novembro.

Em 18 de agosto está programado o início da imunização de adolescentes com comorbidades. A previsão é de que todos acima de 12 anos tenham recebido a primeira dose até 12 de setembro.

Mais notícias


Publicidade