Publicidade

cotidiano

Estudo da UFSCar avalia se assistência ao parto interfere na relação mãe-bebê

Para realizar a pesquisa, estão sendo convidadas mulheres de todas as faixas etárias, que estejam no pós-parto, com bebês até três meses de vida; confira

| ACidadeON/São Carlos -

 (Foto: Pixabay)
 

Uma pesquisa realizada no Departamento de Terapia Ocupacional (DTO) da UFSCar está convidando mulheres no pós-parto para investigar a existência de práticas inadequadas na assistência ao parto (violência obstétrica) e identificar possíveis relações entre a vivência de violência obstétrica e o estabelecimento do vínculo entre mãe e bebê. O projeto integra o trabalho de conclusão de curso de Danielle Ferreira de Sousa, sob orientação de Regina Helena Torkomian, docente do DTO.

De acordo com a pesquisadora, vários estudos avaliam os impactos da violência obstétrica na saúde da mulher, demonstrando suas implicações físicas, psicossociais e o aumento nos riscos de morbimortalidade materna, mas ainda há poucas iniciativas que investigam as possíveis repercussões da assistência ao parto no estabelecimento do vínculo entre mãe e bebê.

"Além do monitoramento das práticas de assistência ao parto e nascimento ser fundamental para os desfechos em saúde materno-infantil, o vínculo materno tem papel essencial no desenvolvimento da criança, atuando como fator protetivo para um desenvolvimento neuropsicomotor saudável. O tema do estudo, portanto, é atual e relevante, tendo em vista também as recomendações nacionais e internacionais de boas práticas obstétricas, visando a uma assistência digna às mulheres e aos bebês", aponta Sousa.

Assistência ao parto 

A pesquisadora da UFSCar cita que a adoção de práticas humanizadas, centradas na parturiente e baseadas em direitos humanos, permite um cuidado horizontal, de escuta aos desejos da mulher, tornando-a ativa no processo, oportunizando escolhas informadas e favorecendo uma experiência positiva do parto. "Para além dos aspectos fisiológicos na assistência ao parto, devem ser consideradas as dimensões psicológicas e emocionais das mulheres, o cuidado respeitoso, a garantia de ingestão de líquidos e alimentos indicados e da presença de acompanhante da sua escolha, bem como uma comunicação clara e acessível entre equipe de profissionais e parturiente. Essas são algumas práticas que otimizam a saúde e o bem-estar e têm mostrado ter um impacto positivo na experiência do parto das mulheres", descreve Sousa sobre a assistência adequada.

Além disso, o suporte profissional, o acolhimento e a oferta de métodos para alívio da dor das parturientes formam um conjunto de estratégias essenciais para garantir uma boa experiência de parto que favorecerão o estabelecimento de vínculo entre mãe e bebê. "Nesse sentido, a hipótese da pesquisa é que uma assistência inadequada, permeada por violências e com práticas consideradas obsoletas, podem prejudicar em algum grau o vínculo entre mãe e bebê, levando-se em consideração, também, que as repercussões psicossociais decorrentes da assistência obstétrica recebida, muitas das quais atreladas a sentimentos e transtornos do período pós-parto, podem prejudicar a relação com o bebê", complementa ela.

De acordo com a expectativa da pesquisadora, os resultados do estudo serão compartilhados com a comunidade científica da área, por meio de artigos e eventos acadêmicos, e também poderão ser apresentados em serviços de saúde visando à qualificação profissional das equipes.

Voluntárias 

Para realizar a pesquisa, estão sendo convidadas mulheres de todas as faixas etárias, de qualquer região do Brasil, que estejam no pós-parto, com bebês até três meses de vida. As participantes também devem ter feito parto hospitalar (normal ou cesárea). As voluntárias responderão questionários online que ficarão disponíveis até o próximo dia 23 de agosto. As interessadas devem entrar em contato com a pesquisadora pelo e-mail daniellesousa@estudante.ufscar.br ou pelo WhatsApp (19) 99539-5582 para receberem os questionários. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAE: 47337321.6.0000.5504).

Mais notícias


Publicidade