Publicidade

cotidiano

São Carlos continua vacinando contra gripe; veja locais

Campanha de imunização já atingiu mais de 71 mil pessoas na cidade. As pessoas devem respeitar intervalo de 14 dias caso tenham tomado a vacina contra Covid-19.

| ACidadeON/São Carlos -

Vacinação. Foto ilustrativa 
A cidade de São Carlos já vacinou 71.954 pessoas contra a gripe (H1N1), o que representa uma cobertura vacinal de 61,6%, segundo a Vigilância Epidemiológica (VIGEP). O órgão ressaltou ainda que a imunização continua sendo realizada na cidade. 

A Divisão de Imunização do Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo liberou desde 12 de julho a vacinação para o público em geral a partir de 6 meses de idade. 

Das 71.954 doses aplicadas, 26.330 foram em idosos (59,6%); 10.940 em crianças (55%); 1.239 em gestantes (55,8%); 304 em puérperas (83,3%); 7.270 em profissionais da saúde (75,5%) e 2.065 em professores da rede pública e particular (45%). Também já se imunizaram contra a gripe 58 indígenas, 75 trabalhadores do transporte, 228 caminhoneiros, 131 doses foram destinadas a forças de segurança, 38 para as Forças Armadas, 3 para funcionários do sistema prisional, 37 para a população privada de liberdade, 7.071 para pessoas com comorbidades e/ou deficiência e 16.165 doses para o público em geral. A meta é sempre vacinar 90% dos grupos prioritários. 

A vacinação continua sendo realizada nas unidades básicas de saúde (UBSs) do Delta, Santa Paula, Vila Nery, Vila Isabel, Botafogo e Cruzeiro do Sul, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 15h30. As Unidades de Saúde da Família (USFs) também estão aplicando a vacina contra a gripe, porém com agendamento para as pessoas cadastradas no programa de saúde da família. 

O Ministério da Saúde não recomenda a aplicação das vacinas contra a COVID-19 e contra a gripe simultaneamente. A orientação, neste momento, é priorizar a imunização contra a COVID-19 e respeitar o intervalo de 14 dias entre uma e outra dose. 

A composição da vacina contra a gripe é estabelecida anualmente pela Organização Mundial de Saúde (OMS), com base nas informações recebidas de laboratórios de referência sobre a prevalência das cepas circulantes.

Mais notícias


Publicidade