Publicidade

cotidiano

Santa Casa participa de 2ª reunião da Comissão de Saúde sobre regulação e fluxo de pacientes

20 novos leitos de UTI Geral devem ser abertos no HU e na Santa Casa; confira

| ACidadeON/São Carlos -

Representantes da Santa Casa, HU, DRS e Secretaria de Saúde em reunião da Comissão de Saúde da Câmara Municipal - Foto: Assessoria Santa Casa
 

A Santa Casa participou, nesta quinta-feira (2), da segunda reunião realizada pela Comissão de Saúde na Câmara Municipal para discutir sobre a regulação e fluxo de pacientes, com o objetivo de reduzir a espera por vagas das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) para os hospitais de referência. 

O Provedor da Santa Casa, Antônio Valério Morillas Junior; o Diretor Técnico da Santa Casa, Vitor Marim; a Diretora de Práticas Assistenciais da Santa Casa, Vanessa de Freitas; e o Gerente Médico da Santa Casa, Roberto Muniz Júnior; estiveram presentes na reunião. Além dos representantes da Santa Casa, participaram o Diretor do Departamento Regional de Saúde (DRS III), Jeferson Yashuda; a diretora técnica de Serviço de Saúde do Departamento Regional de Saúde (DRS III), Sônia Regina Souza Silva; o Secretário Municipal de Saúde de São Carlos, Marcos Palermo; e a Gerente de Atenção à Saúde do HU, Valéria Gabassa. Também participaram do encontro, o Presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, Lucão Fernandes, os vereadores Sérgio Rocha e Cidinha do Oncológico, integrantes da Comissão, e também os vereadores Elton Carvalho e Professora Neusa. 

20 NOVOS LEITOS DE UTI GERAL 

O Departamento Regional de Saúde (DRS III) está viabilizando, junto ao Governo de São Paulo, a criação e o financiamento de 20 novos leitos de UTI Geral em São Carlos 10 na Santa Casa e 10 no HU - até que os leitos passem a ser mantidos pelo Ministério da Saúde. 

"Isso vai nos ajudar a diminuir o nosso déficit financeiro mensal, já que, para não deixar a população desassistida, temos mantido 10 leitos com toda estrutura de UTI no Pronto-Socorro, mas não temos recebido repasse de recursos para esses atendimentos. E o custo é de R$ 2200 reais por dia e por leito, no total de R$ 671 mil reais por mês", afirma o Provedor da Santa Casa, Antônio Valério Morillas Júnior. 

Como o processo de montagem e estruturação dos leitos de UTI no HU é mais moroso, porque depende de contratação de profissionais por concurso público, a Santa Casa se disponibilizou a montar mais 10 leitos temporários de UTI Geral para suprir as demandas atuais, até que o HU consiga montar sua estrutura. 

"O Hospital Universitário não possui leitos habilitados para UTI Geral, uma vez que os 10 leitos existentes, criados em maio de 2020, foram abertos já com a proposta de habilitação para Covid-19. "É importante destacar que o fator limitante principal é que os profissionais que atuam nas áreas Covid-19 foram contratados temporariamente para essa finalidade e, com a desmobilização dos leitos, eles terão que ser demitidos. Para que esses leitos sejam convertidos em leitos de UTI Geral no pós-COVID, é imprescindível a contratação de pessoal Ebserh, por meio de Concurso Nacional, e a habilitação dos leitos como de UTI Geral", explica a Gerente de Atenção à Saúde do HU-UFSCar, Valéria Gabassa. 

COMITÊ TÉCNICO 

Na reunião, também foi acordada a criação de um Comitê Técnico composto por membros da Santa Casa, do HU, da Câmara Municipal, da Secretaria Municipal de Saúde e do Departamento Regional de Saúde (DRS III) para que as dificuldades, sugestões e melhorias sejam discutidas mensalmente. O objetivo é seguir os mesmos moldes do Comitê criado para o enfrentamento da pandemia, que fez com que São Carlos se mantivesse na lista dos municípios paulistas com menor taxa de letalidade. 

ROTATIVIDADE DOS LEITOS x DIFICULDADE DE TRANSPORTE 

Durante a reunião, a vereadora Professora Neusa quis entender quanto tempo leva para que depois de uma alta, o leito seja disponibilizado para outro paciente. 

"Nos casos em que o paciente recebe alta e pode ir para casa por meios próprios, já é liberado e a higienização do leito leva no máximo 30 minutos. O grande gargalo acontece quando o paciente recebe alta, mas depende do transporte para ir embora. É o caso dos pacientes que recebem acompanhamento pelo Serviço de Atendimento Domiciliar. Esperamos de 6 a 8 horas até que o transporte seja feito. Nesse período, o paciente permanece no leito, mesmo tendo recebido alta", explica o Diretor Técnico da Santa Casa, Vitor Marim. 

"Tivemos um caso como esse recentemente. Demos alta ao paciente ao meio-dia. Ele foi levado para casa pelo transporte municipal somente às 20h. Durante esse período, mesmo o paciente tendo recebido alta, ele continuou ocupando o leito", explica o Gerente Médico da Santa Casa, Roberto Muniz Júnior. 

NÚCLEO DE REGULAÇÃO MUNICIPAL E A CROSS 

No primeiro encontro da Comissão de Saúde para discutir sobre a regulação e fluxo de pacientes, realizado no dia 23 de agosto, a Santa Casa sugeriu a criação de um Núcleo de Regulação Municipal, para que esse órgão regulador pudesse avaliar a situação clínica de cada paciente atendido nas UPAs e, se houvesse necessidade, fosse transferido para Santa Casa ou para o HU, para ajudar a diminuir a espera por vagas e otimizar a saúde do município. 

Na reunião desta quinta-feira (2), ficou definido que esse papel vai ser feito pela CROSS (inclusive no caso das vagas solicitadas pelas operadoras de saúde que não oferecem leitos de UTI).

Mais notícias


Publicidade