cotidiano

Especial coronavirus

Especialistas contraindicam flexibilizar máscaras em São Carlos

Medida, anunciada, pelo governo do Estado, foi classificada como "temerária": "a melhor sugestão é não flexibilizar

| ACidadeON/São Carlos -

São Carlos discutirá flexibilização do uso de máscara. (Foto: Luciano Claudino/Código19)
Especialistas em saúde criticaram a flexibilização do uso de máscaras no Estado de São Paulo. Eles aconselharam a Prefeitura de São Carlos a não aderir ao movimento de derrubada da obrigatoriedade da proteção em locais abertos.

O epidemiologista e professor de medicina da UFSCar Bernardino Alves Souto afirmou que a decisão estadual é "temerária", uma vez que a transmissão do vírus é bloqueada pela máscara e o distanciamento físico. O equipamento, na opinião dele, deve ser mantido mesmo com o avanço da vacinação no país.

"Se flexibilizarmos o uso de máscaras e o distanciamento físico poderemos ter novas ondas epidêmicas. Essa tem sido a experiência internacional. Todos os países europeus, mesmo com alta cobertura vacinal e que flexibilizaram estão vivendo momentos muito difíceis com a pandemia", afirma.

Para o professor da UFSCar e diretor da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rodrigo Stabeli, em situações de pandemias de doença respiratória o ideal é a máscara ser a primeira medida adotada e a última a ser flexibilizada. A ação do governo paulista contraria a lógica pensada por estudiosos do assunto.

"É óbvio que se tivermos em local isolado, fazendo o nosso exercício não usando a máscara não temos maneira de contaminar. O problema é quando se estabelece uma política pública incentivando ou encorajando o não uso de máscara em locais abertos, onde não há a capacidade de entender se aquela quantidade de pessoas que está próxima a mim é caracterizada uma aglomeração ou não", relata.

São Carlos deve definir nos próximos dias se fará a flexibilização do uso de máscaras ou não. O governo estadual definiu o dia 11 de dezembro como o marco do fim da obrigatoriedade em locais abertos.

À administração local, os especialistas aconselham que o melhor é manter a obrigatoriedade do jeito que está.

"A melhor sugestão que se pode dar para São Carlos e Araraquara é não flexibilizar a máscara. O ideal é que os municípios mantenham a obrigatoriedade, independente se for ao ar livre ou lugar fechado", comenta Souto.

Casos em alta no Velho Continente
Os países da Europa e da Ásia Central estão lutando diante das infecções e mortes por Covid-19. Quase metade das mortes por Covid no mundo ocorreram no continente europeu, o que fez com que autoridades sanitárias de diversos países da região apertassem os cintos para barrar a disseminação do Sars-CoV-2.

A situação no leste europeu é pior. A European Comission mostra que países mais atrasados na marcha da vacinação, como os casos de Bulgária, Romênia e Letônia, têm mais vítimas fatais da doença na proporção de número de habitantes.

Mas os países mais ricos e avançados na vacinação também têm sofrido. A Alemanha, principal economia do continente, ultrapassou a marca dos 100 mil mortos por Covid, viu as UTIs lotarem novamente, reportou 67 mil casos nas 24 horas encerradas ontem (24) e tem discutido a obrigatoriedade da vacinação à toda a população. Por lá, 81% dos adultos estão completamente imunizados, número que não parece ter sido suficiente para barrar as infecções e mortes.

"O mesmo comportamento (da pandemia) que observamos na Europa, observaríamos no Brasil se tivéssemos um bom sistema de notificação desses casos. Não temos, então por isso deveríamos usar máscaras", finaliza Stabeli.

Mais notícias


Publicidade