Aguarde...

cotidiano

Pesquisador do CeMEAI e USP participa de projeto aprovado pelo PIPE na área de saúde

Programa da FAPESP financiará pesquisa e produtos para agilizar atendimentos emergenciais

| ACidadeON/São Carlos

Alexandre Delbem, pesquisador do CeMEAI
Com foco em novos conhecimentos e produtos que contribuam com o desenvolvimento do sistema público e privado de saúde, teve início em março deste ano um projeto aprovado pelo Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) que tem a colaboração do professor Alexandre Cláudio Botazzo Delbem, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos e pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI).

A equipe abriu uma empresa para participar do projeto. É formada por outros professores e alunos da USP de São Carlos e da USP de Ribeirão Preto e trabalha na fase 1 deste projeto, que resultará em um sistema envolvendo o desenvolvimento de sensores e receptores de localização de equipamentos em unidades de emergência de postos de saúde e hospitais. O produto composto também por um software auxiliará os gestores dessas unidades a tomar decisões sobre a entrada dos pacientes.

"O trabalho terá como base uma unidade de emergência regional de Ribeirão Preto. Imagine um paciente que sofreu um acidente e está com uma fratura e necessita de atendimento urgente. Atualmente, há um NIR (Núcleo Interno de Regulação) nos hospitais que verifica vagas e disponibilidade do atendimento, inclusive de salas e equipamentos. É neste âmbito que iremos atuar. O profissional que toma a decisão de receber o paciente não detém hoje de uma tecnologia precisa de informações e com o sistema completo que desenvolveremos, vamos dar a este funcionário os dados rastreados e organizados em tempo real em um software", explicou Delbem.

Ainda segundo ele, o sistema poderá auxiliar no planejamento desses equipamentos, como manutenções e melhor aproveitamento dos mesmos.

O PIPE-FAPESP apoia a execução de pesquisa científica e/ou tecnológica em pequenas empresas por pesquisadores vinculados à empresa ou a ela associados para sua realização. Os projetos são desenvolvidos em duas etapas. A Fase 1 é dedicada à demonstração da viabilidade tecnológica do produto ou processo proposto em período máximo de 9 meses e recursos de até R$ 200 mil. O objetivo da Fase 2 é o desenvolvimento da inovação no prazo limite de 24 meses e recursos até R$ 1 milhão.

Pesquisa é apresentada também na Europa

Essa pesquisa, que acaba de ser aprovada pelo PIPE, e também outros projetos na área de saúde - que propõem uma série de ferramentas em benefício do atendimento da população na rede de saúde - foram apresentados recentemente na Universidade de Warwick, na Inglaterra. Delbem foi palestrante convidado do 2º Workshop of the "UK-Brazil Interdisciplinary Research Network on Urban Resilience Data" que ocorreu nos dias 5 e 6 de fevereiro.

O evento faz parte de uma série de atividades que pretendem fortalecer a colaboração em pesquisas entre a University of Warwick e três universidades brasileiras (USP, FGV-EAESP e UFRJ).

Em sua apresentação o pesquisador do CeMEAI abordou temas de capacitação em Ciência de Dados envolvendo Saúde e Saneamento Básico utilizando informações de mídias sociais.

"Foi de extrema importância essa integração entre universidades e pessoas que estão trabalhando na mesma área e pudemos confirmar que estamos bem estruturados nas pesquisas relacionadas à saúde. O intercâmbio resultará em cooperação e possíveis financiamentos aos nossos projetos", disse Delbem.

Ainda segundo ele foi possível traçar paralelos entre os dois sistemas públicos de saúde do Brasil e Inglaterra que resultarão em melhorias para a população dos dois países.

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON