Aguarde...

ACidadeON São Carlos

SÃO CARLOS
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Diarista revela ter pensado em cortar mãos de motorista para dificultar identificação

Maria da Conceição de Almeida foi presa pela Polícia Civil, na terça-feira (12), e, em depoimento, deu detalhes de como matou Sérgio Garbim; confira

| ACidadeON/São Carlos

Sérgio Garbim mandou foto com Maria da Conceição para a irmã dele
 

A equipe de policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) investiga a possível participação de mais pessoas na morte do motorista Sérgio Garbim. O delegado Gilberto de Aquino revelou detalhes da confissão feita pela diarista Maria da Conceição de Almeida, de 53 anos. O corpo da vítima foi encontrado parcialmente carbonizado e com cortes no pescoço e na cabeça no dia 27 de janeiro, no loteamento Arcoville, em São Carlos.  

Relacionamento virtual  

Segundo a Polícia Civil, Sérgio conheceu Maria da Conceição através do Facebook. No dia 12 de janeiro, ele veio de Pirituba, zona oeste de São Paulo, para São Carlos e foi recebido pela mulher no Terminal Rodoviário. No local, onde estava vendo a mulher pela primeira vez, Sérgio tirou uma foto com ela e mandou para a irmã dele.  

Neste primeiro final de semana, o motorista e Maria teriam iniciado um relacionamento e, na sequência, ele voltou para São Paulo. No dia 26 de janeiro, Sérgio veio pela segunda vez para São Carlos com a intenção de visitar Maria da Conceição.    

Diarista também foi flagrada junto com o Sérgio no Terminal Rodoviário de São Carlos. Veja vídeo:


Emboscada e morte  

"Ela [Maria da Conceição] disse que a vítima queria ter vantagem econômica sobre ela e os filhos dela. Afirmou que ele veio sem condições nenhuma para cá e ela resolveu mata-lo. Ela disse ter colocado medicamento na bebida dele e [de carro] ter levado a vítima até o local. [Em seguida], teria desferido os golpes de facão, e depois utilizado três litros de gasolina e ateado fogo no corpo da vítima", explicou Aquino.  

Ainda em depoimento ao delegado, Maria da Conceição relatou que tinha a intenção de cortar as mãos do Sérgio, para não ficar com as impressões digitais, mas depois ela resolveu atear fogo no corpo. Alguns dias depois de o corpo ter sido encontrado, familiares de Sérgio, estranhando que ele não respondia mensagens e nem atendia o telefone, entraram em contato com a polícia. Em seguida, vieram para São Carlos e confirmaram que o corpo era o do motorista.  

De acordo com Aquino, nesse contato com a família do Sérgio, eles tiveram acesso a foto que ele tirou com Maria da Conceição. A partir disso, os policiais conseguiram identificar a suspeita e, na terça-feira (12), foram até a casa dela no Jardim Embaré.  

Inicialmente, a suspeita negou que conhecia a vítima, mas acabou confessando o crime após o delegado mostrar a foto que ela havia tirado com Sérgio. Além disso, a polícia também tinha gravações do Terminal Rodoviário de São Carlos que flagraram a suspeita com a vítima. Na residência, os policiais apreenderam o facão e o galão de combustível utilizados no crime. Maria da Conceição informou aos policiais que ficou com a mala e alguns pertences da vítima. "Ela colocou a mala em um terreno baldio ao lado da residência dela. Na manhã seguinte, como ninguém levou o objeto, ela escondeu atrás de um muro no mesmo terreno. Esse fato foi presenciado por vizinhos, que acharam a situação suspeita. Nós coletamos essa informação e trouxemos para o inquérito", contou o delegado.  

Em seguida, antes de viajar para São Paulo, a suspeita jogou o celular e a habilitação de motorista da vítima dentro de um bueiro. A mala teria sido levada para São Paulo e também não foi localizada.   

Galão e facão foram apreendidos pela Polícia Civil. Foto: ACidade ON São Carlos

Investigação  

A versão contada pela mulher, no entanto, não convenceu a polícia, que acredita que outras pessoas estejam envolvidas na morte do motorista. "Ela sozinha não teria condições de praticar esse crime. Ela me relatou alguns detalhes de como ocorreu o fato, e esses detalhes não coincidem com a dinâmica do crime. Então eu só estou aguardando chegar os laudos, vou fazer um novo confronto com ela e vou verificar a versão que ela vai prestar com o que eu tenho de prova. Vou derrubar essas provas dela e vamos apontar que há mais envolvidos. Então cabe a ela dizer quem seriam esses envolvidos", explicou Aquino.  

Ainda de acordo com Aquino, em relacionamentos anteriores, Sérgio Garbim chegou a ser denunciado na Polícia Civil por ameaça, injúria, perturbação do sossego e difamação. Por conta disso, os policiais vão prosseguir com as investigações para tentar identificar se realmente houve a participação de outras pessoas na morte do motorista. "Pode haver um vínculo entre São Carlos e São Paulo. Há uma investigação que está sendo feita aqui através do perfil da vítima. Estamos estudando e verificamos que a vítima tinha problema naquela cidade", afirmou o delegado.  

Com relação ao motivo do crime, a polícia suspeita que a mulher possa ter recebido algum dinheiro para participar da emboscada que resultou na morte de Sérgio. "Nós acreditamos que possa ser de ordem econômica, que ela pode ter ganho alguma vantagem econômica de alguém para cometer esse delito. Ela acreditou que fazendo essa emboscada, arrastando ele para São Carlos, jogando o corpo em um local ermo, a polícia não chegaria. Nós vamos chegar, vamos prender e mostrar para a sociedade quem fez e a forma que fez. Se ela quiser segurar sozinha esse crime, nós vamos provar que tem mais gente. Através das medidas de inteligência, eu vou trazer para a cena do crime quem está envolvido", finalizou o delegado.  

A suspeita Maria da Conceição está presa no Centro de Triagem e vai responder por homicídio qualificado e destruição de cadáver. Ela não tinha passagem pela polícia.  




Veja também