Aguarde...
Voltar

cotidiano

Acusado de participar da morte de morador de rua tem habeas corpus negado

Marcos Antonio da Silva teria sido brutalmente assassinado por causa de uma pedra de crack. Crime aconteceu no dia 14 de junho, em Ribeirão Bonito

| ACidadeON/São Carlos

Corpo foi encontrado ao lado de prédio do Setor Social em Ribeirão Bonito. Foto: Lucas Castro/RB Na Rede
 

A 12ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) negou habeas corpus a favor de acusado de participação na morte de um morador de rua em Ribeirão Bonito. Alexandro de Jesus Oliveira e outros dois homens foram presos horas após o crime, no dia 14 de junho de 2019, pela Polícia Militar. A decisão foi proferida no dia 11 de setembro. 

A defesa do acusado argumentou que não existem indícios da participação dele no delito, o que tornaria ilegal a segregação cautelar.  

Além disso, alegou não haver fundamentos para a manutenção da prisão, tendo em vista que Alexandro possui trabalho e residência fixa.  

Por fim, solicitou a revogação da prisão preventiva.  

A Justiça considerou que não houve ilegalidade na decisão da prisão preventiva proferida pelo juiz da Vara Única da Comarca de Ribeirão Bonito.  

Além disso, também explicou que há indícios de autoria que desfavorecem Alexandro nas declarações dos demais acusados. "No mais, cabe destacar que o habeas corpus não é instrumento adequado para aprofundamento em matéria fática, cabendo à d. Defesa infirmar tais relatos e demonstrar sua inocência no decorrer da instrução da ação penal", afirmou o desembargador Amble Lopez Soto, relator do processo.  

A reportagem do ACidade ON São Carlos não encontrou a defesa do acusado para comentar a decisão.  

O crime  

De acordo com o processo, os três acusados e a vítima, Marcos Antonio da Silva, conhecido como Marquinho, se conheceram e passaram a andar juntos em Ribeirão Bonito, onde consumiam bebidas alcoólicas e entorpecentes.  

Na véspera do dia do crime, dia 13 de junho, consta que estavam na praça da matriz quando apareceu Alexandro e lá os três ficaram bebendo.  

Depois de um tempo, apareceu Marquinho e eles fizeram uma vaquinha para comprarem uma pedra de crack. Na sequência, Marquinho saiu para comprar a pedra, mas não mais retornou e, por tal razão, os acusados acertaram que, assim que anoitecesse, iriam até onde Marquinho dormia para se vingarem dele.  

Em seguida, de acordo com os depoimentos, eles teriam ido ao encontro da vítima e o acusado Fabio Luiz e Alexandro teriam colocado Marquinho em um colchão, onde José Valtair teria o enforcado e continuado as agressões.  

Em meio as agressões, Alexandro também teria dito que o local não tem câmeras de segurança e deu um soco na vítima.  

Marquinho não resistiu aos ferimentos e morreu. Segundo a Polícia Militar, o corpo dele foi encontrado na Rua João Alves Delfino, região central de Ribeirão Bonito, com sinais de violência e um cadarço amarrado no pescoço.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON