Aguarde...

Política

Audiência pública discute pandemia e secretário fala em local para testagem no Aracy

Plano de rastreamentos de contaminados, críticas ao Plano SP e criação de estrutura para atender pacientes com sequelas da Covid-19 foram outros assuntos discutidos

| ACidadeON/São Carlos

Secretário Marcos Palermo durante audiência pública. Foto: Reprodução
 

A situação da pandemia de Covid-19 na cidade foi tema de audiência pública na Câmara Municipal de São Carlos, na noite de quinta-feira (29).  

O evento virtual contou com a participação de vereadores, médicos, membros da sociedade civil, além do Secretário de Saúde, Marcos Palermo, e do presidente do Comitê Emergencial de Combate ao Coronavírus, Mateus de Aquino. 

A criação de uma estrutura para testagem da população no Bairro Cidade Aracy, um plano de testagem estratégica e críticas ao Plano São Paulo foram alguns dos assuntos discutidos (veja abaixo). 

Críticas ao Plano São Paulo 

O epidemiologista Bernardino Geraldo Alves Souto disse que o Plano São Paulo não é suficiente para controlar a pandemia na cidade e pediu medidas mais rígidas. "O Plano São Paulo não controla a pandemia, ele apenas regula um pouco os leitos hospitalares, para que não fiquem sobrecarregados. Mas não tem nenhum efeito na redução da curva epidêmica ou da mortalidade, a ponto de a gente poder voltar a vida mais ou menos ao normal". 

Souto citou ainda Araraquara como um exemplo de município que tomou medidas mais restritivas e conseguiu reduzir o contágio. "Se a gente adotar outras medidas, além do Plano São Paulo, com o objetivo efetivo de reduzir e controlar a pandemia, nós não só vamos evitar muitas mortes, doenças e síndromes pós-covid, como também a questão econômica. Esse modelo do Plano São Paulo é muito mais caro do que se nós adotarmos medidas de controle mais efetivas". 

O coordenador do Comitê Emergencial de Combate ao Coronavírus, Mateus de Aquino, disse que uma decisão judicial subordinou São Carlos ao Plano São Paulo. "A gente não sabia até que ponto poderíamos ser mais restritivos (...). Isso limita ainda mais a margem que o município legalmente tem perante à Justiça de poder ser mais restritivo". 

Após ouvir a fala de Aquino, o presidente do Conselho Municipal de Saúde de São Carlos, Denilson Aparecido Tochio, sugeriu que a cidade busque brechas na lei para conseguir agir. "Enquanto a gente fica emperrado em situações até jurídicas, como o Mateus disse, arrumando desculpas para não fazer. Nós temos que fazer exatamente o contrário e buscar brechas nessa lei para poder fazer mais". 

Plano de rastreamento de contactantes 

O co-coordenador geral do Comitê Independente de Enfrentamento à COVID-19 (COMIND-19), Mario Casale, falou sobre um plano de fazer um rastreamento de contactantes na cidade (as pessoas com quem o infectado fez contato) para diminuir o contágio. A ideia consiste em identificar esses possíveis contaminados e realizar a testagem. "Esse trabalho deve ser feito através de questionários, buscando conversar com cada pessoa contaminada com o vírus, entender com quem ela pode ter tido contato. Então a ideia é fazer esse rastreamento, ir testando e isolando". 

Para que a proposta seja colocada em prática, no entanto, é necessário pessoas e o aval da Secretária de Saúde. 

Por conta da falta de profissionais disponíveis na rede pública, a sugestão é fazer um convênio com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e colocar estudantes para ajudar a realizar esse trabalho. 

O secretário de Saúde, Marcos Palermo, disse que vai oficializar uma reunião assim que voltar de férias. "É muito pertinente essa ação do COMIND. Nós vamos levar ao Governo Municipal, ao Comitê, ao presidente Mateus de Aquino, e vamos discutir a possibilidade de começar isso no município". 

Estrutura para testagem no bairro Cidade Aracy 

Ainda de acordo com Palermo, a cidade está com um projeto para montar uma estrutura para testagem no bairro Cidade Aracy. 

O objetivo é que os moradores dessa região não precisem se locomover até o Ginásio Milton Olaio Filho. 

Suporte aos pacientes com sequelas da Covid-19 

O secretário também afirmou que a cidade estuda a possibilidade de criar um espaço para dar suporte para as pessoas que ficaram com sequelas da Covid-19. "Nós estamos tendo muitos pacientes pós-covid com algumas sequelas graves neurológicas, cardíacas, pulmonares também. Então estamos elaborando um projeto para dar um atendimento especial para essas pessoas", afirmou Palermo.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON