Aguarde...

Política

UFSCar vai interpelar Lazarine na Justiça por falas ofensivas e acusações

Vereador do PSL vai ter que prestar esclarecimentos sobre denúncias feitas em um vídeo gravado em frente à universidade

| ACidadeON/São Carlos

Vereador Moisés Lazarine (PSL) reclamou de cartazes e criticou UFSCar, alunos e pesquisadores. Foto: Reprodução/ Redes sociais
 

A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) decidiu interpelar judicialmente o vereador Moisés Lazarine (PSL) na 2ª Vara Federal de São Carlos por ofensas proferidas contra a universidade e a comunidade acadêmica.  

Essa medida judicial foi motivada pelas mensagens produzidas e divulgadas pelo referido vereador em seu perfil em rede social, questionando o papel, a capacidade e o compromisso da UFSCar com suas atividades de ensino, pesquisa e extensão e, em especial, com ações voltadas ao enfrentamento da pandemia. Adicionalmente, o vereador acusa a instituição de comportamento ilegal e antiético, dirigindo ataques infundados não apenas a Instituição, mas também à comunidade universitária.  

O pedido de interpelação judicial solicita que o vereador preste os esclarecimentos necessários em relação a suas denúncias e, em especial, às seguintes acusações: de ausência de trabalho por servidores docentes e técnicos administrativos da UFSCar, produção de drogas sintéticas ilícitas na Instituição e regalias indevidas a professores da Universidade.   


Em nota, a UFSCar reiterou sua indignação diante dos ataques à Instituição e à sua comunidade e salienta sua fundamental contribuição ao longo dos seus 50 anos de atividades, com a formação de centenas de milhares de pessoas, produção de conhecimento, e com o desenvolvimento regional das cidades onde seus campi estão instalados.  

Informou também que o compromisso da UFSCar é oferecer à sociedade o acesso ao Ensino Superior público, gratuito e de excelência, e que a Universidade seguirá se mobilizando para que, através da Educação e da Ciência, possa contribuir para a transformação do nosso país em uma nação menos desigual e mais justa e democrática, no sentido pleno dessas palavras. 
 
Outro lado  
   
Procurado pela reportagem, o vereador Moisés Lazarine, em nota, respondeu o seguinte:  

-- Minha fala foi meramente dentro de um contexto político, onde, no uso de minha imunidade parlamentar e atuação Política Partidária, estive exercendo meu direito de livre manifestação garantido pela constituição, dentro deste mandato parlamentar que me foi confiado pela população.  

Em relação as acusações e ilações feitas pela Instituição, acredito que não tenha ou não quiseram interpretar devidamente minha fala. Em nenhum momento acusei a universidade do que ela me acusa, estão querendo mais uma vez criar uma narrativa e politizar o assunto.  
 
Em momento algum mencionei algum profissional especificamente, nem tão pouco generalizei de modo pejorativo toda comunidade escolar, o foco de meu questionamento em relação a Universidade foi específico no TEMA VACINAS, que mesmo reconhecendo a importância de várias contribuições desta Instituição, neste quesito VACINAS, apenas afirmei uma verdade , onde mostro que não só ela, mais todas Universidades Brasileiras não tiveram a capacidade técnica/científica para ter desenvolvido uma vacina 100% nacional, está afirmação é facilmente notável e se confirma por até a presente data não termos nenhuma vacina brasileira, pelo menos até o presente momento.  
 
Meu segundo ponto de crítica é devido as posições políticas Partidárias adotadas publicamente por parte de alguns de seus representantes, e pela universidade permitir que esta Instituição Pública esteja sendo usada publicamente com viés Político/Partidários, permitindo até serem feitas notas de apologia política dentro de seus espaços públicos através de seus alunos, professores, profissionais e seus representantes e até mesmo alguns membros da comunidade escolar de forma aberta, onde até emitem notas com claras conotações favoráveis a políticos simpáticos as suas posições ideológicas.  

Minhas manifestações foram realizadas dentro deste mesmo espírito democrático em se posicionar, assim como membros desta Instituição o exercem livre e constantemente. Espero que, no mínimo, tenham maturidade e o respeito por posições antagônicas as deles, me garantindo a mesma liberdade e autonomia de me manifestar.  

Afinal, se realmente são os defensores da democracia, precisam aprender a conviver com ela, e não será com intimidações e ativismo judicial que contribuirão para um país livre e democrático como dizem defender, espero ver isso na prática!
 

Leia mais:  
 
 

 



Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON