Publicidade

politica

Bolsonaristas anunciam recurso para reverter ordem de prisão de Zé Trovão

O mandado contra o caminhoneiro foi expedido pelo ministro Alexandre de Moraes; confira

| ACidadeON/São Carlos -

Zé Trovão foi localizado pela Polícia Federal. Foto: Redes Sociais
 

Por Rayssa Motta  

São Paulo, 11 (AE) - Os deputados Carla Zambelli (PSL-SP) e Major Vitor Hugo (PSL-GO) anunciaram que vão entrar com um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar reverter a decisão individual do ministro Edson Fachin, que negou derrubar a ordem de prisão do caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão.

Em despacho nesta sexta-feira, 10, Fachin disse que um ministro do STF não pode revisar a decisão de colegas do tribunal em habeas corpus e negou o primeiro pedido feito pelos parlamentares.  
 
O mandado contra o caminhoneiro foi expedido pelo ministro Alexandre de Moraes, a pedido da Procuradoria-Geral da República, no inquérito aberto para investigar a organização de manifestações violentas no 7 de Setembro.

"Posto isso, com fulcro no art. 21, §1º, do RISTF, não conheço do habeas corpus", escreveu Fachin.

Ao entrarem com o habeas corpus no STF, os deputados argumentaram que não haveria mais riscos de Zé Trovão cometer novos crimes, considerando que o feriado de 7 de Setembro já passou. Também disseram que a ordem de prisão representa ameaça de constrangimento ilegal e fere o direito à liberdade de expressão.

"Não haveria risco anterior e muito menos risco atual a fundamentar a manutenção da ordem de prisão", defenderam.

O caminhoneiro foi impulsionado nas redes ao convocar apoiadores do presidente a protestar contra os ministros do STF. Em agosto, passou a ser investigado por ordem de Moraes, que pediu sua prisão no início de setembro. Zé Trovão então fugiu para o México. Agora, os parlamentares aliados de Bolsonaro tentam garantir sua liberdade, com um pedido apresentado ao Supremo após reunião com o presidente e representantes da categoria. 
 
A investida, segundo a assessoria dos deputados, é uma resposta a demandas de caminhoneiros e da base bolsonarista.

Mais notícias


Publicidade