Publicidade

politica

Vereador critica lotação nos ônibus: 'Povo está igual sardinha na lata'

Paraná Filho questionou redução da frota 'pela metade' durante a pandemia. Coca Ferraz argumentou que houve redução de 70% no número de passageiros no período.

| ACidadeON/São Carlos -

 

Vereador criticou o secretário Coca Ferraz. Foto: Montagem/ Arquivo - Reprodução

O anúncio de redução da frota de ônibus em cerca de 20% gerou críticas ao secretário de Transporte e Trânsito, Coca Ferraz, durante a sessão de terça-feira (21). A diminuição do número de veículos estará prevista no novo edital licitatório da concessão do transporte coletivo de São Carlos, que deve ser publicado no mês de outubro. 

Por conta disso, o vereador Paraná Filho (PSL) usou a tribuna da Câmara Municipal para solicitar a realização de uma audiência pública para discutir essa nova licitação. "Daqui a pouco vamos completar uma década sem uma licitação do transporte público. Transporte público esse caótico, precário, e agora reduzindo mais ainda: 20%. Eu acho que o secretário Coca nunca parou ali na Praça Itália, ali na Regit Arab, para verificar como é que estão os ônibus da nossa cidade. O povo está andando igual sardinha na lata". 

O parlamentar também criticou a redução do número de ônibus pela metade durante a pandemia de Covid-19. "Enquanto todo mundo está falando de distanciamento social, eles reduziram metade da frota. O metalúrgico, a doméstica, a empregada, o comerciante, o vendedor, ele continua tendo que trabalhar (...). Então, o maior atentado que fizeram nessa pandemia foi reduzir em 50% a frota de ônibus". 

Além disso, questionou se o subsídio pago pela Prefeitura de São Carlos para a empresa Suzantur também foi reduzido no período. 

Após ouvir a fala do vereador Paraná Filho, o presidente da Câmara Municipal, Roselei Françoso (MDB), fez um requerimento verbal ao secretário Coca Ferraz para pedir que o edital de concessão do transporte coletivo seja publicado apenas após a realização da audiência pública sobre o tema. 

Além disso, também criticou a redução do número de ônibus no período de pandemia. "A frota na nossa cidade, com os carros reservas, eram 104 carros. Então não faz sentido colocar metade dos carros. Isso, de fato, é penalizar a população. Lógico que eu respeito a questão da perda de passageiros, mas é por isso que a gente precisa ter a origem e o destino. A composição de preço, necessariamente, precisa ter origem e destino ", concluiu Françoso. 

Outro lado 

Procurado, o secretário Coca Ferraz explicou a redução de 40% do número de ônibus circulando durante a pandemia de Covid-19. Segundo ele, a frota no período normal era de 91 veículos, que foi reduzida para 54 durante a pandemia. "O número de passageiros caiu demais. Nós chegamos a ter uma redução de 70% do número de passageiros. Atualmente, estamos operando com uma redução em torno de 50%. Nós estamos operando com metade dos passageiros", disse. 

Já sobre a redução do subsídio pago pelo município à Suzantur, Ferraz afirmou que "não tem nenhuma relação entre a redução da frota com o subsídio". 

"Se você transporta menos passageiros, você tem uma arrecadação proporcionalmente menor (...). Foi feito tudo direitinho, de acordo com as normas matemáticas. Está tudo calculado, tudo documentado aqui na Secretaria, à disposição de todos os vereadores", explicou o secretário. 

Por fim, elogiou a iniciativa da Câmara Municipal de propor uma audiência pública para tratar sobre o novo edital licitatório do transporte coletivo. "Vamos fazer uma audiência pública e explicar direitinho para a população, de forma totalmente transparente, o que nós pensamos ser o melhor para o transporte coletivo de São Carlos. E vamos fazer a licitação com base na conclusão tomada nessa audiência pública", concluiu Coca Ferraz. 

Leia mais:  

Nova licitação do transporte reduz número de ônibus em São Carlos 

Coca Ferraz aponta 'velocidade' como maior problema no trânsito de São Carlos


Mais notícias


Publicidade