Publicidade

politica

Prefeito da região confirma que pastor do MEC pediu propina

Religiosos que operavam gabinete paralelo pediam "contrapartida" para viabilizar projetos e deram até "desconto" para um gestor municipal

| Estadao Conteudo -

Prefeito de Boa Esperança do Sul em encontro com o ministro da Educação, Milton Ribeiro. (Foto: Redes Sociais)
O prefeito de Boa Esperança do Sul (SP), José Manoel de Souza (PP), confirmou que o pastor Arilton Moura pediu R$ 40 mil em propina para a construção de uma escola profissionalizante. De acordo com ele, o pedido foi negado e a cidade não teve ajuda com verba do Ministério da Educação em projetos do município.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura já negaram a cobrança de qualquer "contrapartida" pelo acesso ao MEC e ao ministro Milton Ribeiro. O titular da Educação disse que não houve favorecimento de municípios indicados pelos religiosos e que a liberação de recursos da pasta obedece a critérios técnicos.

De acordo com o jornal, os pastores que operam o gabinete paralelo no Ministério da Educação (MEC), atuavam de forma coordenada na cobrança a prefeitos de contrapartida para intermediar a liberação de recursos para escolas. 
 
Outros casos
O prefeito de Bonfinópolis (GO), Professor Kelton Pinheiro (Cidadania), relatou que Arilton chegou a oferecer um "abatimento" de 50% na propina, e que a proposta teve o aval de Gilmar, líder da igreja Cristo para Todos. "(Arilton) falou: 'Vou lhe fazer por R$ 15 mil porque você foi indicado pelo pastor Gilmar, que é meu amigo Para os outros aqui, o que eu estou cobrando aqui, é R$ 30 mil", disse o prefeito.

De acordo com relatos de outros prefeitos ouvidos pelo Estadão, a abordagem era feita na hora do almoço. Pinheiro afirmou que ele e a mulher almoçavam na companhia de Gilmar, quando Arilton se aproximou, depois de ter passado por outras mesas. "Sentou do meu lado, em um dos lados da mesa, e falou: 'Olha, prefeito, eu vou ser direto com você. Tem lá um recurso para liberar com ministro, mas eu preciso de R$ 15 mil hoje'", disse. "O discurso dele que me deixou mais chateado foi: 'Eu preciso desse pagamento hoje, porque vocês, políticos, não têm palavra, vocês não cumprem com o que prometem. Depois eu coloco o recurso lá e você nem me paga'."

'Amigo do ministro'
Nesse momento, segundo o prefeito, o pastor propôs um desconto de 50% na propina. Pinheiro disse que Gilmar apoiou o pedido, ao falar que Arilton era "amigo do ministro". Ainda segundo o prefeito, Arilton propôs uma contribuição para a igreja e a compra de bíblias editadas pela gráfica de Gilmar. "Se você quiser contribuir com a minha igreja, faz uma oferta. Você vai comprar mil bíblias, no valor de R$ 50, e vai distribuir na sua cidade", declarou o pastor, segundo o prefeito. "Fazendo isso, você vai me ajudar a conseguir recurso para você no ministério "

O prefeito relatou ter ficado "indignado" com a situação. "O cara está sentado do lado do ministro, um à direita, o outro à esquerda. Saem da reunião e vêm com essa conversa? A vontade que eu tive ali foi de mandar ele para o quinto dos infernos", afirmou Pinheiro.

Publicidade