Publicidade

politica

Políticos de São Carlos comemoram desistência de Rodrigo Garcia de instalar pedágio na SP-310

Situação repete a vivida em 2001, quando o então governador Geraldo Alckmin intentava em colocar praça de cobrança entre São Carlos e Araraquara

| ACidadeON/São Carlos -

Governo queria instalar praça de pedágio na região. (Foto: Reprodução/EPTV)
Pela segunda vez em 20 anos, forças políticas e populares de São Carlos, Araraquara e Ibaté conseguiram derrubar proposta do governo do Estado de instalar praça de pedágio na Rodovia Washington Luís (SP-310).

Na segunda-feira (3), o governador Rodrigo Garcia (PSDB) autorizou o lançamento do edital no lote Noroeste das rodovias paulistas sem novas praças de cobrança. Além disso, foi anunciada redução de 10% lineares nas tarifas cobradas na área.

A meia-volta do governo do Estado aconteceu após ferrenha e barulhenta - oposição de políticos da região Central. Como fundo, as eleições também podem ter contribuído à causa, com o governador patinando nas pesquisas de intenção de votos para a sua reeleição.

A situação atual é bastante parecida à vivida em maio de 2001, quase 21 anos, em que o governo estadual estudava praça de cobrança entre os três municípios e enfrentou resistências regionais. Os prefeitos Newton Lima (PT), Edinho Silva (PT) e Thomaz Angelo Rocitto Neto (MDB), de São Carlos, Araraquara e Ibaté se uniram contra a proposta. Houve também manifestação às margens da rodovia, entre Ibaté e Araraquara para se opor às intenções da capital. Os fatos foram narrados pelo jornal "Folha de S. Paulo" na época.
 
Políticos e moradores realizam protesto contra o pedágio na SP-310. Foto: CBN São Carlos
No cenário de fundo, outra semelhança: o então tucano Geraldo Alckmin, que na época um governador recém-empossado no cargo que tentava uma reeleição, hoje divide fileiras com petistas.

Na região Central de hoje, políticos comemoraram a decisão do governo do Estado. O prefeito Airton Garcia (UB) disse que a notícia é "excelente".

"Agora vamos acompanhar de perto a relicitação da Washington Luiz e garantir as intervenções necessárias no trecho de São Carlos", afirma.

Outros políticos, como o presidente da Câmara, Roselei Françoso (MDB), também deu sinalização de que fará pressão sobre o governo para a manutenção de investimentos. São Carlos cobra a construção de vias marginais ao longo da SP-310, para tirar o trânsito local da rodovia. Outro pedido, este regional, é a instalação de terceira faixa em trechos da estrada.

"[Temos uma agenda com a] Secretaria de Transportes e Logística do governo do Estado para o próximo dia 12 de maio com o João Octaviano [Machado Neto] e queremos conversar com ele a questão dos investimentos. Para nós é fundamental ter a terceira faixa de rolamento, as marginais, melhorias na iluminação nos trevos e nas obras que garantam segurança de fato à população", comenta.

Presente nas manifestações, inclusive, enfrentando constrangimentos nos atos do governo do Estado no interior paulista, Bira Teixeira (PSD) afirma que a instalação seria "muito prejudicial" um aglomerado urbano com intensa movimentação de trabalhadores e estudantes. A região Central conta com campi da Unesp, USP e UFSCar. 
 
Vereador Bira Teixeira tenta mostrar cartaz para comitiva do vice-governador. Foto: imagem cedida
"Foi uma união política muito forte nas três cidades, junto à população nas audiências públicas, manifestação na rodovia, e isso levou ao governo entender que seria prejudicial para a nossa microrregião instalar essa praça de pedágio", consta.

Nas redes sociais houve manifestações. Para Raquel Auxiliadora (PT), um novo pedágio se somaria "à grande quantidade de pedágio que temos em nossa região, prejudicaria ainda mais os moradores da região que se deslocar diariamente para trabalhar".

Djalma Nery (PSOL) afirmou que a chegada de um pedágio durante uma crise econômica, aumento da inflação e alta nos combustíveis traria "consequências desastrosas para os trabalhadores (as), estudantes e toda a economia regional".

Estado estimava cobrar R$ 9 em pedágio
Apesar de o governo estadual tratar como "preliminar" a proposta de instalar praça de pedágio na região de São Carlos e Araraquara, o ponto de cobrança tinha até estimativa de preço. A revelação foi feita pelo diretor-geral da Artesp, a agência reguladora de transportes, em audiência pública para discutir a nova concessão da Washington Luís em São Carlos.

O dirigente afirmou que o pedágio entre Araraquara e Matão seria reduzido à metade, com o restante da tarifa original sendo pago por motoristas entre Araraquara e São Carlos.

Mais notícias


Publicidade