Vendas de veículos novos têm leve baixa em julho, segundo Fenabrave Vendas de veículos novos têm leve baixa em julho, segundo Fenabrave

Vendas de veículos novos têm leve baixa em julho, segundo Fenabrave

Expectativa é que as vendas cresçam até o final do ano

Vendas de carros tem leve baixa em julho (Foto: Denny Cesare/Código19/Arquivo)
Por Bruno Bocchini

As vendas de veículos automotores novos sofreu uma leve queda no mês de julho, quando foram comercializados 307.709 unidades: 0,5% a menos que o registrado no mesmo mês de 2021 e 2,61% inferior às vendas de junho de 2022.

No acumulado do ano (janeiro a julho), foram vendidas 1.958.945 unidades, 2,65% a menos do que registrado no mesmo período de 2021.

LEIA MAIS

<b>Auxílio Gás será de R$ 110 em agosto, informa Caixa</b>

<b>Selic: Banco Central deve elevar taxa a 13,75% nesta semana; entenda</b>

<b>Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 3 milhões nesta terça</b>

Os dados, divulgados hoje (2), são da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). São levadas em conta as vendas de automóveis e comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas e implementos rodoviários.

'A queda pode ser explicada por um conjunto de fatores, como a menor oferta, especialmente, no segmento de duas rodas, devido a problemas na produção e pela maior restrição e aumento do custo de crédito, já que a inadimplência, nos financiamentos de veículos, está em 4,5%'destacou o presidente da Fenabrave, José Maurício Andreta Júnior.

As vendas de automóveis e comerciais leves tiveram elevação nas vendas em julho de 4,13% em relação ao mesmo mês de 2021. Em comparação a junho de 2022, houve elevação de 2,2%. Já no acumulado do ano, até julho, foi registrada queda de 12,7% em relação ao mesmo período de 2021.

A expectativa da Fenabrave é que, com a nova redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para automóveis que passou de 18,5% (desde 25 de fevereiro) para 24,75% (a partir de 1 de agosto) as vendas do segmento cresçam nos próximos meses, podendo atingir uma elevação de 4% no final do ano, em comparação a 2021.

* Com informações da Agência Brasil

LEIA TAMBÉM

<b>Estoicismo: o segredo para enriquecer quando tudo vai mal</b>

Mais Notícias

Mais Notícias