- Publicidade -
CotidianoArmazenamento de dados: Campinas faz acordo de R$ 110 milhões com o Google

Armazenamento de dados: Campinas faz acordo de R$ 110 milhões com o Google

Pasta de Educação será a primeira a armazenar sistemas a bancos de dados em nuvem; entenda

- Publicidade -

Prefeito Dário Saadi durante anúncio da parceria com o Google (Foto: Divulgação/Prefeitura de Campinas)

 

- Publicidade -

A IMA (Informática dos Municípios Associados), empresa da Prefeitura de Campinas, fechou um acordo operacional de R$ 110 milhões com o Google para o armazenamento em nuvem e o acesso a outros 2 mil produtos (veja abaixo). 

A primeira secretaria a utilizar os recursos contratados da gigante de tecnologia será a de Educação, que vai transferir os sistemas e os bancos de dados dos atuais arquivos e data centers para os espaços virtuais e mantidos na internet. 

Para isso, duas empresas foram contratadas através de processos licitatórios para gerir a parceria. O objetivo é adaptar os serviços para o setor público da cidade e conseguir vender as soluções para outros municípios e instituições. 

CAPACIDADE E COMPETITIVIDADE 

Atualmente, segundo o diretor de Inovação e Desenvolvimento da IMA, Rodolfo de Santi, a entidade armazena cerca de 290 terabytes de informações. Com o acordo operacional assinado, porém, a capacidade total deve ser ilimitada. 

- Publicidade -

“Nós teremos os chamados data centers para coisas muito específicas, mas, para os websites e sistemas de dados, teremos isso em nuvem. A gente vai conseguir colocar mais informações em um ambiente altamente disponível”, explica. 

Além de De Santi, o presidente da IMA, Elias Tavares, também participou do anúncio do acordo, assim como o prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), que argumentou que a medida moderniza a gestão da cidade. 

“Há mais de 10 anos, a Prodesp (Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo) faz o que estamos anunciando. É tudo feito baseado na lei e com licitação. As empresas passaram por processo licitatório”, defendeu ele. 

O CONTRATO 

Segundo o presidente da IMA, Elias Tavares, o contrato de R$ 110 milhões é válido por quatros anos. “O contrato é abrangente. A gente vai consumir conforme a realidade. A gente paga de acordo com o que consumir”, detalha. 

Ainda conforme Tavares, o acordo permite descontos para serviços Google, que poderão ser implantados de acordo com a demanda dos clientes. Além das pastas municipais, a IMA oferece soluções pontuais a municípios menores. 

“Em médio e curto prazo, o acordo evita que a IMA compre novos recursos, como equipamentos e centros de dados, para Campinas. E a ideia é poder ir ao mercado pra vender soluções, principalmente ao interior e à região”, alega. 

AMPLIAÇÃO DE SERVIÇOS 

Questionados sobre exemplos de aplicação de tecnologia no cotidiano dos serviços e estruturas públicas municipais, o diretor de Inovação e Desenvolvimento da IMA, Rodolfo de Santi, citou a própria pasta de Educação. 

Segundo ele, se houver interesse dos gestores da área em Campinas em instalar uma tecnologia capaz de realizar a chamada automática dos alunos em aulas virtuais, as plataformas de reconhecimento facial do Google podem ser usadas. 

O objetivo de expandir a utilização dos produtos da gigante de tecnologia foi reconhecido pela vice-diretora educacional, Juliana Spessotto de França, que conta que os professores e alunos já usam aplicativos educacionais atualmente. 

CHAMAMENTO PÚBLICO 

O anúncio da parceria com o Google acontece cerca de três meses depois da Informática dos Municípios Associados abrir em Campinas um chamamento público para atrair empresas privadas de tecnologia interessadas em parcerias

O intuito era desenvolver a inovação tecnológica na Administração municipal. Na ocasião, o presidente da IMA, Elias Tavares, explicou que não haveria qualquer tipo de restrição para manifestação das empresas interessadas. 

“Vamos aceitar de startups até grandes empresas que tenham interesse em desenvolver com a IMA. E são produtos 100% IMA. A gente não vai ser, como se diz por aí, barriga de aluguel. Não existe isso”, defendeu ele na divulgação.

- Publicidade -
Leandro Las Casas
Leandro Las Casas
Graduado pela PUC-Campinas desde 2011, atua há 14 anos no Jornalismo, área na qual cobriu sete eleições, participou de grandes coberturas e esteve a frente de podcasts e projetos de assessoria. Começou a carreira na rádio CBN Campinas, onde foi estagiário, repórter e apresentador. No acidade on Campinas, assina matérias e reportagens de todas as editorias desde 2021.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Notícias Relacionadas
- Publicidade -