- Publicidade -
CotidianoTaxa de mortalidade por câncer de mama cresce após 12 anos em Campinas

Taxa de mortalidade por câncer de mama cresce após 12 anos em Campinas

De acordo com levantamento da Devisa, foram registrados 17,8 óbitos para cada 100 mil mulheres de 2019 a 2021

- Publicidade -
- Publicidade -

Em meio às conscientizações do Outubro Rosa, a Devisa (Departamento de Vigilância em Saúde) informou que a taxa de mortalidade por câncer de mama aumentou entre 2010 e 2021, em Campinas. De acordo com o boletim, houve 17,8 óbitos para cada 100 mil mulheres de 2019 a 2021. No triênio anterior, a taxa era de 16,3, e entre 2010 e 2012 estava na faixa de 15,8.

Por outro lado, o número permanece inferior aos registrados de 2001 a 2009, que variaram de 19,1 a 22,8 no intervalo. Confira os detalhes abaixo:

Mortalidade por câncer de mama em Campinas:

2001-2003: 19,1 óbitos por 100 mil habitantes

2004-2006: 19,7 óbitos por 100 mil habitantes

2007-2009: 22,8 óbitos por 100 mil habitantes

- Publicidade -

2010-2012: 15,8 óbitos por 100 mil habitantes

2013-2015: 15,9 óbitos por 100 mil habitantes

2016-2018: 16,3 óbitos por 100 mil habitantes

2019-2021: 17,8 óbitos por 100 mil habitantes

Reflexos da pandemia

De acordo com a coordenadora da área da saúde da mulher do Departamento de Saúde, Miriam Nóbrega, a pandemia da covid-19 refletiu nos resultados mais recentes.

“A pandemia teve impacto na realização do exame de rastreamento, tivemos interrupção da oferta quando tudo parou e depois teve demora no retorno das mulheres para fazerem o rastreamento. Com tudo isso tivemos casos que chegaram com diagnóstico mais tardio e houve aumento da morbimortalidade”, disse.

Para Juliana Natívio, coordenadora do RCBP de Campinas (Registro de Câncer de Base Populacional), a crise sanitária deve, inclusive, repercutir em resultados do triênio 2022-2024.

“No período da pandemia houve suspensão de cirurgias eletivas e impactos no acesso a diagnósticos e tratamento”, ponderou.

Assistência às mulheres

Além disso, Nóbrega ressaltou que as moradoras devem procurar a equipe da unidade de saúde mais próxima da residência para receber apoio, esclarecer dúvidas, buscar mais informações e solicitar exames preventivos.

“Temos uma linha de cuidado bem estabelecida. Quando a mamografia está alterada, que necessite de exames complementares ou biópsia, o serviço que fez o exame já convoca a usuária, diminui o tempo para o diagnóstico, e com isto melhora na morbimortalidade”, acrescentou.

A coordenadora ainda destacou que, nos últimos anos, ocorreram melhorias para fluxo de exames das pacientes, o que reduziu tempo de diagnóstico, e que a Campinas detém serviço próprio de mastologia com equipe especializada.

Incidência

O SIM (Sistema de Informação de Mortalidade) de Campinas indica que, de 2013 a 2022, o câncer de mama representou a maior proporção de óbitos por neoplasias em mulheres. Nos últimos anos, a doença tem provocado próximo a 125 mortes por ano na cidade.

“No período de 2010 a 2018, em torno de 550 novos casos de câncer de mama invasivo foram diagnosticados por ano. O cálculo da taxa de incidência pela população feminina nos mostra que 72,3 mulheres em cada 100 mil habitantes (taxa ajustada pela população brasileira 2010) ao ano tiveram diagnóstico desta neoplasia”, diz trecho do boletim.

A idade é um dos fatores que mais atribui risco para o câncer de mama, portanto, há aumento de incidência nas faixas etárias mais avançadas. No período de 2010 a 2018, a média de idade nos casos diagnosticados foi de 58 anos. O intervalo de diagnóstico em Campinas foi dos 21 aos 103 anos, segundo o levantamento.

Depois do câncer de mama, os mais incidentes foram de cólon/reto, e de tireoide/pulmões. Confira os detalhes abaixo:

– Mama – 16%

– Colorretal – 12%

– Brônquios e pulmões – 11%

– Pâncreas – 7%

– Estômago – 5%

– Ovário – 4%

– Corpo do útero – 4%

– Fígado – 3%

– Encéfalo – 3%

– Demais neoplasias – 35%

“O conhecimento sobre a doença continua sendo uma das principais armas para diminuir os mitos e temores relacionados ao tema. A adoção de hábitos saudáveis de vida e os cuidados preventivos em saúde são fundamentais para o enfrentamento desta importante patologia, bem como a oferta de exames e tratamentos adequados e em tempo oportuno”, finaliza o documento.

Quer ficar ligado em tudo o que rola em Campinas? Siga o perfil do acidade on Campinas no Instagram e também no Facebook.

Receba notícias do acidade on Campinas no WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar o link: bit.ly/3krPaDY

Faça uma denúncia ou sugira uma reportagem sobre Campinas e região por meio do WhatsApp do acidade on Campinas: (19) 97159-8294

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Notícias Relacionadas
- Publicidade -