Aguarde...

Especial Publicitário

Coronavírus: quando devo procurar atendimento no hospital?

Antes de ir a uma emergência hospitalar é indicado observar a gravidade da doença. Coriza, tosse e febre baixa são sintomas que podem ser tratados em casa.

ACidade ON - São Carlos

Dra. Silvia Fonseca - Divulgação: Grupo São Francisco
Com o crescente aumento de casos confirmados do Covid-19 no Brasil, os estados e a população se mantêm em estado de alerta e em distanciamento social. Por ainda não ter remédios ou vacinas para o tratamento da doença, o mais indicado é adotar procedimentos de segurança e prevenção. 

O coronavírus pertence à família de vírus chamada de Coronaviridae e tem causado doença respiratória. Esta família de vírus causa resfriados e até infecções de maior risco à saúde humana e, este novo coronavírus (Covid-19) traz sintomas como coriza, tosse, dor de garganta, possivelmente dor de cabeça e febre, que pode durar alguns dias.  

Com a pandemia da doença, algumas de suas características estão sendo observadas por pesquisadores e especialistas. A maioria dos indivíduos que adoecem, evoluem com doença branda, semelhantes a um resfriado e se recuperam espontaneamente, apenas com medidas básicas de suporte, como hidratação e sintomáticos. Todavia, uma parcela dos indivíduos pode evoluir com doença grave, apresentando insuficiência respiratória (falta de ar) podendo chegar ao óbito. 

Atendimento médico  

Silvia Fonseca, infectologista do Grupo São Francisco, que faz parte do Sistema Hapvida, afirma que primeiramente é preciso observar a gravidade dos sintomas.  

"Coriza, tosse, dor de garganta, dor de cabeça e febre baixa são sintomas que podem ser tratados em casa, essas pessoas não devem sair para evitar o contágio", diz. "No caso de sintomas mais fortes, como falta de ar, febre alta, tontura, desidratação e vômitos, essas pessoas devem procurar atendimento médico independente se tiveram contato com pessoas contaminadas", completa.   

A infectologista ressalta que o Covid-19 traz mais danos às pessoas que já apresentam alguma doença ou em idosos. Nos outros casos, a doença é mais leve, e, para prevenir, são necessários os cuidados básicos, como higienizar bem as mãos e uso do álcool em gel. O uso de máscaras deve ser reservado apenas para pessoas com doenças respiratórias, principalmente em ambientes de aglomeração. 

É importante reforçar as recomendações médicas, do Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS) de distanciamento e isolamento social para evitar novas contaminações. 

Prevenção  

Os cuidados de prevenção de doenças infectocontagiosas devem sempre fazer parte do dia a dia de qualquer indivíduo, em qualquer época. Atualmente, com os casos registrados do Covid-19, algumas medidas têm sido reforçadas e se estendem à prevenção de qualquer infecção que tenha como formas de contágio as vias respiratória, fecal-oral e contato.  

Confira algumas dicas de prevenção que devem ser adotadas por toda a população:  

- Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;

- Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;

- Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

- Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;

- Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

- Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;

- Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

- Manter os ambientes bem ventilados;

- Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;

- Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.






 



Mais do ACidade ON