Aguarde...

Cotidiano

Covid-19: Estado avança e Ribeirão Preto fica para trás

Várias regiões de São Paulo deixaram a quarentena vermelha e o governador acredita que o Estado "chegou ao platô";

| ACidadeON/Ribeirao

Na esquerda o mapa atual, na direita o mapa antigo. Estado teve redução da quarentena vermelha

O governado de São Paulo, João Doria (PSDB), abriu a coletiva de atualização do Plano São Paulo desta sexta-feira (10) com discurso otimista, dizendo que os números apontam que o Estado já alcançou o platô (o pico), que é quando os casos de covid-19 param de aumentar.

No entanto, a comemoração não vale para a região de Ribeirão Preto. Enquanto o Estado avança no controle da pandemia, Ribeirão Preto vive o pior momento - nesta semana ocorrerem recordes de casos confirmados e UTIs alcançando 100% de ocupação. 
 
 
MAIS: Avanço depende da população, diz secretário da Saúde 


Como o ACidade ON adiantou ainda antes do início da coletiva, as regiões de Ribeirão Preto e Franca se mantiveram na fase vermelha do Plano São Paulo (veja mais aqui), a mais restritiva da quarentena.

Segundo os dados apresentados por Doria, o Estado como um todo destoa de Ribeirão Preto. O governador citou queda de mortes, diminuição da letalidade e resultados positivos de controle na capital, litoral e em regiões do interior.

O resultado dessa melhora é que, de acordo com a atualização desta sexta, o número de regiões no vermelho passou de 10 para apenas quatro: Ribeirão Preto, Franca, Campinas e Araçatuba.


Plano SP

O Plano São Paulo foi criado em maio para regrar a quarentena de acordo com a situação de cada região paulista. Na primeira divulgação, Ribeirão Preto e região ficaram na fase 2, a laranja, que possibilitava abertura do comércio de rua e dos shoppings. Porém, 15 dias depois, a região já entrou na fase vermelha e permanece até hoje

Já a ordem de restrições do Plano São Paulo é a seguinte: fase 1 (vermelha), fase 2 (laranja), fase 3 (amarela), fase 4 (verde) e fase 5 (azul).

Os critérios para a escolha das fases são: ocupação de leitos, internações, mortes, leitos para cada 100 mil habitantes e número de casos. 
 
 
MAIS: Enfermaria do HC de Ribeirão atinge limite da capacidade

Mais do ACidade ON