ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

Política

Prefeitura precisa de R$ 15 bi para tapar déficit do IPM

Em 2018, o Executivo já projeta colocar R$ 150 milhões para fechar o rombo nas contas do instituto

| ACidadeON/Ribeirao

Preocupado: Secretário prevê colapso das contas em mais três anos (Foto: Weber Sian / A Cidade)

A Prefeitura de Ribeirão Preto precisa aportar R$ 15 bilhões no IPM (Instituto de Previdência dos Municipiários) para evitar um colapso nas contas no futuro. 

A afirmação é do Secretário da Fazenda, Manoel Jesus Gonçalves, que ainda pontuou: "Essa situação é a coisa mais séria que temos no momento".  

O secretário, em entrevista exclusiva ao A Cidade, disse que o rombo no IPM vem crescendo ano a ano. Em 2017, a Prefeitura precisou repassar R$ 94 milhões ao Instituto. Neste ano, a projeção é que esse rombo chegue a R$ 150 milhões. Com isso, 5% do orçamento de R$ 3 bilhões da Prefeitura será usado para socorrer o IPM.  

Isso porque a previsão é que o instituto arrecade R$ 350 milhões em 2018, mas o gasto está estimado em R$ 500 milhões. O déficit é criado porque o valor recolhido dos servidores da ativa não é o suficiente para fazer a reserva necessária para as atuais e futuras aposentadorias e pensões.  

Só vai piorar  

Para o secretário, se nada for feito, as coisas só vão piorar nos próximos anos. "Ano passado, quando o Governo Federal disse que faria a reforma da previdência, muitos servidores resolveram aposentar.   

Como a reforma não foi feita, o cenário piorou muito", disse Manoel. Há uma estimativa que, em curto prazo, 1.600 servidores vão se aposentar.  

"Nós temos estudado vários caminhos para a situação", continuou o secretário. "São várias as opções. Podemos aumentar impostos, subir a contribuição patronal e dos servidores ou criar um fundo com ativos da Prefeitura", explicou Manoel (veja mais no quadro ao lado).  

A situação que menos penaliza a população é exatamente a criação do fundo, que colocaria como ativos terrenos da Prefeitura. "Mas a forma de fazer isso, com rentabilidade para os investidores ainda está em avaliação", finalizou Manoel.  

Orçamento R$ 3 bi 

O valor necessário para acabar com o déficit do IPM, R$ 15 bilhões, é equivalente a cinco orçamentos da Prefeitura de Ribeirão Preto, que atualmente é de R$ 3 bilhões. De acordo com o secretário da Fazenda, é impossível a Prefeitura conseguir fazer esse aporte e, por isso, o caso ainda está em estudo. 

Precisa de estudo 

O presidente da Câmara, Igor Oliveira (MDB), defende que seja feito um amplo estudo da situação.  

"Talvez a Câmara possa montar uma comissão para acompanhar o caso. A gente sabia que tinha o problema, mas não imaginava que os valores eram tão altos", disse Igor. "A única coisa que não pode é aumentar imposto. Creio que esse não é o caminho. Porque a população já paga bastante imposto", concluiu. 
 

Situação das contas do IPM ano a ano

Divisão de servidores, aposentados e pensionistas dentro do IPM

Plano Financeiro 

- Ingressaram no serviço público antes de 2011

- 10.700 servidores, aposentados e pensionistas

Fundo de reserva: R$ 0

Plano Previdenciário 

- Ingressaram no serviço público a partir de 2012

- 4.100 servidores, aposentados e pensionistas

Fundo de reserva: R$ 400 milhões
 
Soluções estudadas

- Cortar totalmente os investimentos e reduzir as despesas e ir aumentando os repasses ao IPM

- Aumentar os impostos, como o IPTU, repassando o ônus do IPM para toda a população

- Aumentar a contribuição patronal e dos servidores, que hoje fica em 22% e 11%, respectivamente

- Criar um fundo para bancar a previdência com ativos da Prefeitura

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Veja também