- Publicidade -
CotidianoSanta Margarida tem plano aprovado após mortes por febre maculosa; nova agenda será divulgada

Santa Margarida tem plano aprovado após mortes por febre maculosa; nova agenda será divulgada

Segundo a assessoria da fazenda, a programação de shows e eventos para esse e o próximo ano deve ser divulgada a partir da semana que vem

- Publicidade -

A Fazenda Santa Margarida, espaço de eventos em Campinas, que registrou um surto por febre maculosa, após a morte de quatro visitantes que estiveram em festas no local neste ano, confirmou hoje (24) que teve o plano de ações no local aprovado pela Prefeitura de Campinas. 

As mortes aconteceram em junho e desde então eram definidas medidas para conter os riscos de transmissão da doença no espaço verde. Com as ações, a Prefeitura confirmou que os eventos estão liberados no local. No entanto, a data prevista para a retomada das atividades ainda não foi divulgada.

- Publicidade -

Segundo a assessoria da fazenda, a programação de shows e eventos para esse e o próximo ano deve ser divulgada a partir da semana que vem. Desde então, os eventos que eram previstos para acontecer no espaço foram realocados para outros locais.

LEIA TAMBÉM

Alerta de calor faz Campinas suspender aulas ao ar livre hoje e amanhã

Perseguição a carro furtado termina com acidente e adolescente baleado

- Publicidade -

“A colaboração entre os departamentos de Saúde de Campinas a Fazenda Santa Margarida visou garantir a adequação às exigências legais e a mitigação de riscos, motivo pelo qual o processo administrativo abrangeu um período de duração de aproximadamente 70 dias, devido a minuciosa análise e cuidados com o caso”, informou em nota.

Segundo a Prefeitura, o local segue sendo supervisionado pela Secretaria de Saúde com apoio dos outros órgãos da Prefeitura envolvidos nas ações de monitoramento e prevenção da doença.

Ontem (23), a Saúde confirmou a sexta morte por febre maculosa neste ano na cidade e informou que contaminação da vítima pode ter ocorrido no Parque Linear Ribeirão das Pedras, na região da Vila Costa e Silva, perto do Parque D. Pedro Shopping (veja mais abaixo).

O plano

Entre as principais medidas que serão implementadas, conforme determinado pela Prefeitura, estão:

  • 1. Cumprimento das diretrizes estabelecidas na Lei Municipal que regulamenta a
    obrigatoriedade de informar sobre o risco da febre maculosa
  • 2. Disponibilização de equipamentos e medidas de proteção individual indicados nas normas técnicas aos trabalhadores da Fazenda
  • 3. Manutenção do gramado podado junto ao solo, conforme rotina já estabelecida, com a remoção regular de folhas secas nos locais de circulação do público durante os eventos

As determinações exigem a continuidade de forma permanente das ações. Segundo a Fazenda, além dessas ações sugeridas pelos órgãos competentes, foi decidido:

  • cercar a propriedade nos espaços destinados a eventos e estacionamentos;
  • delimitar caminhos de pedestres no estacionamento, com pedra brita, até a área de evento, para diminuir a exposição dos frequentadores com a vegetação
  •  monitorar e avaliar rotineiramente os processos para diminuir riscos
  • manter canal aberto com os órgão públicos para  compartilhar informações atualizadas com as autoridades competentes

Em nota divulgada hoje, o local afirma que “sempre agiu e age de acordo com todas as normas e exigências legais relacionadas à vigilância sanitária” e mantém um rigoroso processo de manutenção e cuidados em relação ao espaço e sua conservação.

O surto

A Prefeitura de Campinas confirmou um surto de febre maculosa na fazenda, após a confirmação de pessoas que visitaram o local e se contaminaram. Ao todo, quatro pessoas morreram após participarem da “Feijoada do Rosa”, evento que aconteceu no dia 27 de maio no espaço.

O evento, considerado de classe alta, reuniu 3,5 mil pessoas. O valor do convite para a festa dava direito a open bar de comida. Na pré-venda, o ingresso, que incluía também um abadá da festa, custou até R$ 750.

Além do evento de feijoada, a Prefeitura de Campinas também investigou casos de contaminação no show do Seu Jorge, que aconteceu no mesmo espaço, no dia 3 de junho. Até o dia 19 de junho, Campinas somava 17 casos suspeitos de febre maculosa pessoas que estiveram na Fazenda Santa Margarida.

Depois da repercussão das mortes, outras cidades também confirmaram que moradores que frequentaram os eventos também precisaram passar por atendimento médico.

Mortes por febre maculosa

A Prefeitura de Campinas confirmou ontem mais uma morte por febre maculosa. Com isso, a cidade tem agora seis mortes e oito casos confirmados da doença em 2023. De acordo com a secretaria de Saúde, a vítima é um homem de 52 anos que foi infectado no município.

As equipes apontam que o contágio aconteceu na região Leste. “O local provável de infecção é o Parque Linear Ribeirão das Pedras, na região dos bairros Santa Genebra e Vila Costa e Silva, perto do Parque D. Pedro Shopping. Os primeiros sintomas foram registrados em 17 de julho e a morte aconteceu no dia 21 do mesmo mês”, informou a Pasta.

Antes do caso divulgado nesta quarta-feira, a quinta morte por febre maculosa havia sido de um soldado do Exército de 18 anos.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Notícias Relacionadas
- Publicidade -