- Publicidade -
EconomiaInflação: carne de porco registra aumento de 26% nas vendas no estado de SP

Inflação: carne de porco registra aumento de 26% nas vendas no estado de SP

Carne de porco é opção às carnes bovina e de frango, que registraram queda nas vendas; veja estudo

- Publicidade -
- Publicidade -

Carne de porco registrou alta de vendas em SP (Foto: Reprodução/EPTV Campinas)
Carne de porco registrou alta de vendas em SP (Foto: Reprodução/EPTV Campinas) 

 
A alta dos preços registrada nos últimos meses afetou o comportamento de compra dos consumidores. A carne de porco registrou aumento de 26% nas vendas no estado de São Paulo, na contramão das vendas das carnes bovinas e de frango.

De acordo com uma pesquisa da Apas (Associação Paulista de Supermercados), entre janeiro e maio deste ano, a venda de carne bovina teve redução de 7%. Já a de frango teve queda de 8%.

“Está um absurdo, tudo muito caro. Tem que se virar nas 30”, comentou a dona de casa Maria Geralda Jesus Ramos Dias. O ajudante de serviços gerais Nivaldo Pacheco afirmou que tem comprado menos produtos. “Vai comprando devagar, né? Para não congelar em casa. E pegar uma promoção”, disse. 

LEIA TAMBÉM 
Cinco bairros de Campinas ficarão sem água amanhã; veja a lista
 
Paulínia oferece 719 vagas de emprego com atuação na Replan 
Redução no preço da gasolina chega a postos de Campinas

O gerente de supermercado Fábio Soares contou que sentiu a redução nas vendas por conta da alta de preços. “O cliente está muito seletivo em relação a isso, tomando muito cuidado na hora da compra, fazendo análise de preço. Estamos tentando o máximo possível para que o cliente possa ter opção”.

CUSTO DE PRODUÇÃO

- Publicidade -

De acordo com o consultor em agronegócios José Luiz Coelho, a carne de porco está mais barata por conta do custo de produção dos suínos no campo está menor do que os outros animais.  

“Onde a gente teve os menores aumentos de custo foram justamente nas carnes suínas. Só que culturalmente não temos o mesmo hábito de comer a carne suína na mesma quantidade e frequência que comemos as carnes bovinas e de aves. Então, por isso, temos a sensação que a oferta é maior. Mas é porque a pessoa não consegue comer carne suína todos os dias”.

Ainda segundo o especialista, o custo da carne de porco deve continuar sendo mais atrativo. “Como a gente fica agora um período longo sem chuva, os pastos ficam fracos. Então, com isso, existe uma redução na oferta dos animais. Pra que haja uma redução, ou um viés de baixa, a gente precisa ter mais carne ofertada para o abate. E isso só vai começar em setembro e outubro”, explicou. 

LEIA MAIS 
Pai e filho são presos com fuzil e pistolas em Campinas

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Notícias Relacionadas
- Publicidade -