Aguarde...

ACidadeON

Cotidiano

Governo libera cana-de-açúcar na Amazônia e no Pantanal

Em nota, o Observatório do Clima afirmou que os dois ministros jogam na lama a imagem internacional de sustentabilidade que o etanol brasileiro construiu

| FOLHAPRESS

.
 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um decreto assinado por Bolsonaro e pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Tereza Cristina (Agricultura) nesta quarta-feira (6) libera o cultivo de cana-de-açúcar na Amazônia e no Pantanal.  

O ato revoga o decreto 6.961, de 2009, que estabelecia o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar, prevenindo, entre outras definições, a expansão do cultivo da cana para a Amazônia e o Pantanal, considerados biomas mais frágeis.  

À época, a medida do governo federal respondia à desconfiança internacional sobre um atrelamento da produção brasileira de biocombustíveis a desmatamento e degradação da Amazônia.  

Em nota, o Observatório do Clima afirma que os dois ministros que assinam a revogação do decreto, "tidos como a ‘ala razoável’ do governo, jogam na lama a imagem internacional de sustentabilidade que o etanol brasileiro construiu a duras penas".  

Para assessores do Ministério da Agricultura e Pecuária ouvidos pelo reportagem, a revogação do decreto não significa permissão para novos desmatamentos.  

O entendimento da pasta é que o desmate já estaria inibido pelo Código Florestal e pelo programa Renovabio –que concede incentivos para produção de biocombustível, excluindo do programa produções obtidas em áreas desmatadas após 2018.  

Segundo fontes do Mapa, o decreto foi revogado para incentivar investimentos do setor sucroenergético, permitindo o financiamento da cana-de-açúcar nos casos em que ela poderia ser mais eficiente do que outras opções de biocombustíveis já autorizadas nesses biomas. "O zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar teve seu papel no passado e ficou justamente lá, um passo atrás, servindo apenas como mais um dos tantos arcabouços burocráticos brasileiros diante da modernidade do Código Florestal e do comprometimento absoluto do setor em avançar", disse em nota o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Evandro Gussi.  

Nos últimos anos, a delegação brasileira nas conferências de clima da ONU têm incluído forte representação do setor, que busca, junto ao Ministério da Agricultura e ao Itamaraty, promover os biocombustíveis como uma solução de curto prazo para a transição energética necessária ao cumprimento do Acordo de Paris. A defesa brasileira da produção sem desmatamento deve ser conferida pelos pares internacionais na próxima COP do Clima, em dezembro.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON