Aguarde...

colunistas e blogs

Vicente Golfeto

Balança comercial: importações II

Confira a análise no texto do professor Vicente Golfeto

| ACidadeON/Ribeirao

Vicente Golfeto, colunista do ACidade ON (Foto: Mastrangelo Reino / Arquivo A Cidade)
Completando números referentes ao valor total, expresso em dólares norte-americanos das importações feitas por empresas localizadas nos oitenta e oito municípios do nordeste paulista, hoje publicamos números dos cinquenta e quatro municípios que formam, com os trinta e quatro que constituem a região metropolitana de Ribeirão Preto, todo o nordeste paulista. Como podemos ver no quadro abaixo, o total importado em 2012 US$ 470.122.447,00 contra US$ 446.379.560,00 em 2020 foi 5,05% menor. O retrocesso menor do que o referente aos trinta e quatro municípios da região metropolitana de Ribeirão Preto, que foi de 31,63%, apresentou outro fato. É que vinte e quatro dos cinquenta e quatro municípios do quadro citado, não importaram nada do exterior no primeiro semestre de 2012, enquanto vinte e seis dos cinquenta e quatro estiveram ausentes como importadores de mercadorias do exterior em 2020. 

.
Bom prestar atenção nos cinco municípios onde se situam empresas que mais importaram mercadorias do exterior. Em 2012, por ordem decrescente, foram Araraquara, São Carlos, Gavião Peixoto, Igarapava e Ituverava. Já em 2020 foram São Carlos, Igarapava, Ituverava, Araraquara e São Joaquim da Barra.No ranking dos cinco municípios, todos no ano de 2012 considerando-se todos os oitenta e oito que formam o nordeste paulista que mais importaram mercadorias do exterior, por ordem decrescente foram: Araraquara, Sertãozinho, São Carlos, Gavião Peixoto e Ribeirão Preto. Já em 2020, o elenco foi outro: São Carlos, Igarapava, Ituverava, Ribeirão Preto e Sertãozinho.