Polícia Civil apura morte de recém-nascida em Ribeirão Preto Polícia Civil apura morte de recém-nascida em Ribeirão Preto

Polícia Civil apura morte de recém-nascida em Ribeirão Preto

Segundo o boletim de ocorrência, e-mail do HC-UE relata queimadura e suspeita de maus-tratos contra a menina de apenas 2 meses; mãe disse que filha tinha diarreia e febre

Ocorrência foi registrada na CPJ Permanente de Ribeirão Preto (Foto: acidade on)
 

A Polícia Civil apura a morte de uma menina recém-nascida, com dois meses de idade, ocorrida nesta quarta-feira (8), em Ribeirão Preto.  

Segundo o boletim de ocorrência (BO), o Hospital das Clínicas - Unidade de Emergência (HC-UE) informou à CPJ (Central de Polícia Judiciária) Permanente que a menina apresentava queimadura em uma das mãos e suspeita de maus-tratos.  

A polícia diz que não localizou a ocorrência no sistema e que um novo comunicado do HC-UE, já com a guia de encaminhamento de cadáver, informava a queimadura e que a mãe havia relatado que a filha apresentou quadro de diarreia após a amamentação e picos de febre.   

MAIS NOTÍCIAS

Covid: Confira a situação dos hospitais de Ribeirão Preto nesta quinta 

Veja como fica o tempo nesta quinta em Ribeirão Preto e região

Ainda consta no BO que a recém-nascida teria apresentado convulsão e chegou ao hospital já intubada. 

Conforme o registro, o fato relatado pela mãe teria se passado na residência da família, em Jaboticabal, a 55 quilômetros de Ribeirão. A menina passou pelo primeiro atendimento no pronto-socorro da cidade de origem, segundo a polícia.   

O BO foi registrado como morte suspeita e morte súbita sem causa determinante aparente. O corpo da recém-nascida foi encaminhado para o IML (Instituo Médico Legal) de Ribeirão.  

Estupro 

A Polícia Civil de Ribeirão Preto investiga uma suspeita de estupro contra uma criança de 2 anos de idade, na zona Norte da cidade.

O boletim de ocorrência (BO) informa que a madrinha da vítima disse que soube do caso por meio dos professores da escola da menina, que teriam percebido marcas no corpo dela e avisado sobre queixas por parte da criança relacionadas a dores nas partes íntimas.

O caso foi registrado na CPJ (Central de Polícia Judiciária) Permanente como estupro de vulnerável consumado. No registrou da ocorrência, contudo, a autoria está como desconhecida.

Recém-nascida morreu no HC-UE (Foto de arquivo: Tiago De Brino / Especial)

Mais Notícias

Mais Notícias