Aguarde...

cotidiano

Sucesso de vacinação depende de rapidez e adesão, diz estudo

No Brasil, 73% da população está disposta a se vacinar; estudo da Universidade de Yale foi publicado em revista científica

| FOLHAPRESS

(Foto: Governo de São Paulo/Divulgação)
 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O sucesso de uma vacina contra a Covid-19 dependerá não apenas da sua eficácia medida pelos testes clínicos, mas também do quão rápida e amplamente ela será aplicada, da gravidade da pandemia no momento da imunização e da vontade do público de ser vacinado. 

A conclusão é de um estudo de pesquisadores das universidades de Yale e de Harvard (EUA), publicado no periódico científico Health Affairs, dedicado a políticas de saúde.Por meio de modelo matemático, eles avaliaram quais fatores além da eficácia de diferentes vacinas podem influenciar no sucesso ou não de um programa de imunização.  

LEIA MAIS - Ribeirão ultrapassa a marca de 39 mil casos de covid-19

Nos EUA, pesquisas sugerem que apenas 50% afirmam que receberão a vacina Covid-19. No Brasil, 73% se dizem dispostos a se vacinar, segundo pesquisa Datafolha. 

Segundo Rochelle Walensky, co-autora do estudo e chefe da Divisão de Doenças Infecciosas do Massachusetts General Hospital (MGH), milhões de dólares já foram gastos no desenvolvimento das vacinas e as evidências preliminares sugerem que várias delas parecem ser eficazes.Mas isso não é o bastante.  

"Muito mais investimento é necessário para garantir que as vacinas sejam distribuídas de forma eficiente, para promover a confiança do público na imunização e incentivar a continuidade das práticas que retardam a disseminação do novo coronavírus", explica.  

LEIA MAIS - São Paulo termina 2020 com mais de 46 mil mortes por covid-19

O estudo mostra, por exemplo, que a infraestrutura contribuirá tanto para o sucesso do programa de vacinação quanto a própria vacina. "Se houver atrasos na fabricação da vacina ou na implementação [dos programas de imunização], os benefícios à população diminuirão rapidamente", diz David Paltiel, professor de saúde pública da Yale. 

Para os autores do estudo, mensagens públicas poderosas e estratégias de implementação da vacina em nível local também são necessárias para ajudar a superar o ceticismo sobre as vacinas, especialmente em populações carentes.   

"Se eu tiver um copo d'água, posso apagar o fogo do fogão. Mas não posso apagar um incêndio florestal, mesmo que a água seja 100% potente", compara Walensky, enfatizando o papel do público em manter a taxa de infecção baixa usando máscaras e praticando o distanciamento social."Sairemos disso mais rápido se você der menos trabalho para a vacina", disse.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON