Aguarde...

ACidadeON

Voltar

Especial Névio Archibald

Dois supostos 'apadrinhados' por Léo Oliveira trabalham com ele na Alesp

Além disso, outros suspeitos de terem sido indicados pelo deputado estadual deixaram os empregos na Atmosphera após as eleições de 2014

| ACidadeON/Ribeirao

Na segunda-feira (14), o ACidade ON mostrou em primeira mão que Léo Oliveira (MDB) havia denunciado na Sevandija (Foto: Weber Sian/Arquivo A Cidade)
 
Das cinco pessoas que teriam sido indicadas pelo deputado estadual Léo Oliveira (MDB) para trabalharem na empresa Atmosphera, segundo investigações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do MP-SP (Ministério Público de São Paulo), duas delas trabalham no gabinete do deputado na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo).  
 

"Relação incontroversa"
 
Esse, inclusive, é um dos motivos que levaram os promotores do Gaeco a apontarem que havia uma relação próxima de Léo Oliveira com os funcionários que seriam apadrinhados, que fez com que o deputado fosse denunciado no âmbito da Operação Sevandija. O parlamentar nega que tenha realizado as indicações.  
 

Cargos  

Atualmente eles ocupam os cargos de assessor parlamentar, com salários de R$ 16.277,07, e de assistente parlamentar, com vencimento de R$ 6.318,07. Os números são publicados no site da Alesp.

Os nomes dos dois assessores não serão divulgados pela coluna, já que ambos não foram denunciados e nem são investigados pelo Ministério Público.   


Contratações
 
Em depoimento realizado no MP-SP na segunda-feira (7), Léo Oliveira informou que contratou as duas pessoas para trabalharem em seu gabinete na Assembleia Legislativa por já conhecer o trabalho de ambos.  
 

No cemitério
 
De acordo com o deputado, ele havia conhecido um dos supostos indicados, que depois se tornaria funcionário, em um evento social e, depois, se reencontraram quando esta pessoa trabalhava no cemitério Bom Pastor. Após isso, a relação ficou mais próxima por terem demandas em comum. Depois disso, o assessor foi contratado por Léo Oliveira, que considerou que ele tinha um bom currículo.  
 

Ex-assessor de vereador
 
O outro assessor teria trabalhado no gabinete do ex-vereador Oliveira Júnior. Segundo Léo Oliveira, quando Oliveira Júnior teve o mandato cassado, em 2011, os funcionários do gabinete foram dispensados. "Algum tempo depois", essa pessoa teria procurado o gabinete de Léo na Câmara para pedir emprego, sendo concretizado. Depois, ela migrou com Léo para a Alesp quando o então vereador foi eleito deputado estadual. 


Desconhecidos
 
Quanto aos outros três supostos apadrinhados na Atmosphera, Léo Oliveira negou aos promotores que tenha feito as indicações. Além disso, ele afirmou que sequer conhecia essas pessoas. Contudo, ele informou que orientava aos funcionários do gabinete para encaminhar para agências de emprego e empresas privadas os currículos de pessoas que fossem procurar emprego na Câmara.  


Saída
 
Na denúncia oferecida pelo Gaeco, a promotoria aponta que quatro das supostas cinco pessoas que seriam apadrinhadas por Léo Oliveira, teriam deixado o emprego na Atmosphera entre os meses de novembro 2014 e janeiro de 2015. Período posterior às eleições de 2014, o qual Léo Oliveira foi eleito deputado estadual.  

Segundo a denúncia da promotoria, isso seria a "comprovação" de que as admissões pela Atmosphera estavam vinculadas ao fato do deputado exercer, na ocasião, a função de vereador.  
 

O que ele diz?
 
A coluna procurou a assessoria de imprensa do deputado Léo Oliveira para comentar o fato. No entanto, a coluna foi informada que o deputado manteria o posicionamento declarado anteriormente, além de reforçar que nunca obteve vantagens políticas ou pessoais quando era membro do Legislativo de Ribeirão Preto.  

O deputado ainda disse que a denúncia abalou ele e sua família. "Lamentavelmente a Justiça, para atingir os seus mais legítimos propósitos, surpreende e submete pessoas de bem às misérias de um processo penal, sem que minimamente se apontes fatos concretos que justifiquem tamanha agressão", declarou.  
 

Leia mais:
Gaeco denuncia deputado estadual Léo Oliveira na Operação Sevandija  

A participação dele é a mesma dos outros, afirma Gaeco sobre Léo Oliveira  

Justiça determina bloqueio de bens do deputado estadual Léo Oliveira  

Mesmo denunciado, Léo Oliveira segue como deputado estadual

Você pode ajudar o jornalismo sério

A missão do ACidade ON é fazer um jornalismo de qualidade e credibilidade. Levar informação confiável e relevante, ajudar a esclarecer e entender os fatos, sempre na busca de transformação. E o seu apoio é fundamental. Ajude-nos nessa missão para construir uma sociedade mais crítica e bem informada.

Apoie o bom jornalismo.

Já é assinante? Faça seu login.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON