29 de maio de 2024
- Publicidade -
Play no Agro

Suinocultura: prolapso uterino preocupa produtores

Setor produziu aproximadamente cinco milhões de toneladas de carne, superando em 6,5% o total produzido em 2021

 

A suinocultura produziu cerca de cinco milhões de toneladas de carne em 2022. O índice superou em 6,5% o total produzido no ano anterior, que ficou em 4,701 milhões de toneladas. Os números são da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) que prevê, para 2023, a produção de até 5,150 milhões de toneladas, um crescimento de 4% em relação a 2022. Com isso no consumo interno é estimado com avanço de 3% somando 18,5 quilos per capita. Isso mostra a importância do setor para a economia brasileira.

Mas, para a atividade continuar crescendo é preciso voltar a atenção para alguns fatores importantes, principalmente no sistema de criação. Criar suínos demanda cuidados constantes com a saúde dos animais, a começar pelas matrizes, a fim de garantir o sucesso na produção de seus leitões, evitando possíveis doenças nos animais. 

 

LEIA MAIS 

Plano Safra: Ministério da Agricultura destina R$ 200 milhões

Desmatamento aumenta no Cerrado e cai na Amazônia, diz Inpe

- Publicidade -

 

 

No entanto, um dos problemas de mais relevância nas matrizes tem ganhado destaque, principalmente nos mais renomados congressos de suinocultura, em debates com especialistas, pesquisadores, produtores e a indústria, o prolapso uterino. O problema consiste na saída do útero pela vulva, que na maioria dos casos gera o descarte dos animais afetando diretamente o sistema de produção da granja.

Segundo o zootecnista João Cella, gestor comercial da Topgen marca brasileira, especializada em genética suína, assim como acontece em diversas espécies, o prolapso uterino ocorre com mais frequência em matrizes mais velhas, especialmente depois de partos difíceis ou em decorrência de uma perda de tônus uterino. “Contudo, relatos de antecipação de idade para o problema têm sido cada vez mais frequentes na suinocultura mundial, o que pode estar relacionado com diversos fatores, como alimentação, ambiente e genética”, diz.

- Publicidade -

ATENÇÃO AOS SINTOMAS 

Os principais sinais clínicos do prolapso incluem a protrusão parcial ou total do útero pela vulva, dor abdominal e comportamento agitado. A condição é considerada uma emergência médica veterinária e o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível. Em alguns casos, a fêmea pode apresentar sangramento vaginal e, se o útero ficar exposto, pode haver infecção, sendo que o tratamento vai depender, em geral, da gravidade de cada caso.

Cabe ressaltar que é fundamental adotar medidas preventivas para evitar o prolapso uterino, como o manejo adequado das matrizes, incluindo uma alimentação balanceada e rica em nutrientes. “Vale aqui um parêntese ressaltando a relação de prolapsos com animais expostos a micotoxinas. Com isso, a importância de utilizar matérias primas de excelente qualidade, armazenadas de forma correta e com todos os cuidados possíveis no âmbito de testagens, visando a diminuição da proliferação de fungos que são os causadores das micotoxinas”, destaca o zootecnista.

O especialista orienta ainda os suinocultores quanto ao ambiente que preferencialmente deve estar sempre limpo e confortável, sem superlotação, e uma programação reprodutiva adequada. 

LEIA TAMBÉM 

Preços globais de alimentos sobem pela primeira vez no ano

Marcos André Andrade
Marcos André Andrade é formado em jornalismo pela Unesp e pós-graduado em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais pelo Senac. No Grupo EP desde 2022, é editor do Tudo EP e foi repórter do acidade on Campinas. Tem passagens pela Band Campinas, Rádio Bandeirantes de Campinas e Rádio Band News de Campinas, onde desempenhou as funções de âncora, editor, produtor e repórter.
- Publicidade -
plugins premium WordPress