Aguarde...

ACidadeON

Cotidiano

Tradutora brasileira é encontrada morta em quarto de hotel no Chile

| FOLHAPRESS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma tradutora brasileira foi encontrada morta no quarto de um hotel em Santiago, no Chile, neste último sábado (6). Giovanna Elias Bardi, 35, fazia sua primeira viagem sozinha. Ela ficaria no país vizinho por quatro dias e tinha passagem aérea de volta ao Brasil marcada também para este sábado. A brasileira morava em Sorocaba, cidade do interior de São Paulo. O namorado de Giovanna, o engenheiro de produção Leandro Bonello, foi quem comunicou a morte da companheira pelas redes sociais. "Amigos, é com grande tristeza que informo o falecimento da minha namorada Giovanna Elias Bardi. Amanhã [domingo] conseguirei mais informações", escreveu no Facebook. Bonello foi uma das últimas pessoas a fazer contato com a tradutora por telefone na noite de quinta-feira (4). Na manhã seguinte, parentes e o próprio namorado ficaram preocupados com o sumiço da brasileira, que não respondeu às mensagens enviadas. Eles entraram em contato com a direção do hotel e pediram para que um funcionário fosse até o quarto da brasileira. Giovanna foi encontrada desacordada. Ela foi levada pelo serviço de emergência local até um hospital mais próximo. A unidade declarou oficialmente a morte da tradutora. Assim que souberam do falecimento de Giovanna, Bonello e a mãe dela pegaram um voo rumo a Santiago. Eles chegaram na tarde deste domingo (7) em Santiago e deverão receber apoio da embaixada do Brasil no Chile para os trâmites de traslado do corpo. A família também busca saber a causa da morte de Giovanna, que ainda é desconhecida e só será revelada após resultados de laudos periciais. Procurado, o Itamaraty informou, por meio de nota, que está prestando assistência consular cabível à família. "Em respeito à privacidade dos envolvidos, não fornecemos informações de cunho pessoal sobre os casos consulares". Leandro Bonello voltou à redes sociais e disse que está sendo difícil acreditar na morte da namorada. "Onde quer que você esteja sinta-se amada, abraçada. A ficha está difícil de cair, sua falta pesa em cada segundo. Queria muito você aqui comigo", disse. MORTE DE BRASILEIROS Neste ano, ao menos oito brasileiros, entre adultos e crianças, morreram no Chile em diferentes situações. Em junho, Khálida Trabulsi Lisboa, 3, e Isadora Bringel, 7, não resistiram aos ferimentos provocados por fragmentos de rocha que se desprenderam de uma das montanhas da barragem de El Yeso, uma região turística localizada na região metropolitana de Santiago. Segundo o jornal La Tercera, do Chile, as vítimas teriam cruzado uma barreira de segurança antes de o acidente ser registrado. Elas estavam acompanhadas dos pais. Outras pessoas saíram feridas do local. No dia 22 de maio, outros seis turistas brasileiros morreram em Santiago por inalação de gás. O grupo estava de férias e havia alugado um apartamento no centro da cidade por meio de um aplicativo. Os turistas brasileiros estavam a passeio no país havia cerca de uma semana. O grupo tinha dois casais e dois adolescentes. Seus nomes eram Fabiano de Souza, 41, e Débora Muniz Nascimento de Souza, 38, e os filhos Karoliny Nascimento de Souza, que faria 15 anos no último dia 24, e Felipe Aílton Nascimento de Souza, 13. Eles moravam em Biguaçu, SC. O outro casal era formado pelo catarinense Jonathas Nascimento Kruger, 30, irmão de Débora, e a esposa dele, Adriane Kruger, 27, natural de Goiânia. Bombeiros testaram o ar dentro do apartamento e encontraram altas concentrações de monóxido de carbono, um gás incolor e inodoro cuja inalação pode levar à morte. Foi aberta uma investigação sobre o incidente. Autoridades chilenas ainda não identificaram a causa do vazamento do gás nem seu local exato. Tampouco se sabe por quanto tempo os brasileiros foram expostos a ele. Os corpos das vítimas foram transladados para o Brasil e foram velados em um ginásio da cidade de Biguaçu.

Mais do ACidade ON