Aguarde...

ACidadeON

Voltar

Noticias

Governo privatiza raspadinha pelo valor mínimo do leilão

O consórcio Estrela Instantânea levou o ativo ao dar o lance mínimo de R$ 96,97 milhões de parcela inicial pelo ônus da outorga

| FOLHAPRESS

Raspadinha foi privatizada (Foto: Divulgação / Loterias)
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Lotex, popularmente conhecida como raspadinha, foi privatizada nesta terça-feira (22) em leilão realizado em São Paulo. O único proponente do certame, o consórcio Estrela Instantânea, formado por IGT e Scientific Games, levou o ativo ao dar o lance mínimo de R$ 96,97 milhões de parcela inicial pelo ônus da outorga.  

O grupo de empresas deverá pagar, ainda, sete parcelas anuais de R$ 103 milhões, a serem corrigidas pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). A outorga total será de R$ 818 milhões e o prazo de concessão é de 15 anos.A União vai ficar com 16,7% da receita obtida com as vendas de loterias instantâneas. Desse valor, cerca de 90% será destinado à área de segurança pública, segundo o governo.  

A projeção é que em cinco anos, esse montante supere R$ 1,5 bilhão anual. A concessionária vai ficar com 18,3% da receita bruta e os vencedores dos jogos, com 65%.Esta foi a terceira tentativa do governo Bolsonaro de vender a Lotex. Outros dois certames foram cancelados por falta de interessados. O leilão foi realizado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social).  

"O que foi planejado pelo banco, e os operadores concordam com isso, são 65 mil pontos de venda do país. Embora tenha tido dois leilões desertos, não mudamos os estudos feitos. O que aconteceu do primeiro para cá foi uma questão de transparência e comunicação ao mercado e mudamos o parcelamento de quatro para oito vezes", diz Guilherme da Rocha Albuquerque, chefe do departamento de desestatização do BNDES.  

A projeção do BNDES é que a operação da Lotex gere R$ 19 bilhões de retorno para o governo nos 15 anos de concessão. No cálculo que leva em conta os tributos, o valor seria de R$ 23,5 bilhões.As duas empresas vencedoras detém 80% de participação mundial no mercado de loterias instantâneas, segundo Roberto Quattrini, diretor da IGT. Segundo ele, o setor fatura anualmente US$ 80 bilhões (R$ 330,5 bilhões) ao ano. As duas empresas do consórcio são sediadas nos Estados Unidos e têm ações negociadas em bolsa.  

"O valor da outorga não é o mais importante. Cada centavo que as duas empresas economizaram na outorga será revertido em investimentos. As duas se juntaram no Brasil porque o país tem grandes dimensões", disse a jornalistas. O grupo, porém, não divulga o valor dos aportes que pretende fazer.Segundo ele, a previsão de faturamento total com a operação supera os R$ 112 bilhões. A arrecadação máxima por ano com raspadinhas quando a Caixa oferecia o produto foi de R$ 215 milhões, diz Quattrini.As novas raspadinhas estarão disponíveis ao consumidor até julho, de acordo com o consórcio. O evento foi realizado na sede da B3, no centro de São Paulo. Na porta, houve protestos contra a privatização da Lotex.

Você pode ajudar o jornalismo sério

A missão do ACidade ON é fazer um jornalismo de qualidade e credibilidade. Levar informação confiável e relevante, ajudar a esclarecer e entender os fatos, sempre na busca de transformação. E o seu apoio é fundamental. Ajude-nos nessa missão para construir uma sociedade mais crítica e bem informada.

Apoie o bom jornalismo.

Já é assinante? Faça seu login.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso. Para mais informações, consulte nosso TERMO DE USO"

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Mais do ACidade ON