Aguarde...

colunistas e blogs

Os japoneses já gastaram R$ 56 bilhões com as obras olímpicas

O Comitê Olímpico terá de renegociar com os patrocinadores e com quem já adquiriu ingressos para as competições

| ACidade ON

 

(Márcio Bernardes São Paulo) Não houve quem discordasse da decisão do COI sobre o adiamento da Olimpíada para 2021. Thomas Bach resistiu o quanto pode. Mas teve de ceder. Canadá, Austrália, Estados Unidos e outros países estavam pressionando fortemente a entidade e o governo japonês. Melhor assim
 

Sempre o dinheiro
 

Os japoneses já gastaram R$ 56 bilhões com as obras olímpicas. O Comitê Olímpico terá de renegociar com os patrocinadores e com quem já adquiriu ingressos para as competições. Mas, neste momento, apesar dessa pressão econômica, não havia outra alternativa. Ficou melhor para todos os envolvidos, especialmente para a saúde do mundo.

Coronavírus

Já disse recentemente que o mundo não será mais o mesmo após esse surto terrível e mortal. O presidente da Fifa já admitiu que depois da tempestade vai reunir o mundo do futebol para rediscutir competições, valores, salários e direitos de TV. A diminuição do número de competições nacionais e internacionais já está em estudo.
 

Repensar
 

Tenho dito que os salários estão fora da realidade. Os clubes brasileiros estão quebrados e ainda assim se submetem a irracionalidade administrativa/financeira. Tem jogador que ganha R$ 1 milhão. Alguns até mais. Uma hora a bolha estoura. O ideal seria aparecer algum líder para orientar gestões mais coerentes.
 

Nada decidido
 

Comenta-se muita mentira nas redes sociais. Os cartolas estão se falando, conjecturando, mas não há nada oficial. Nem da CBF, Federações e clubes. As vezes leio algumas barbaridades e fico imaginando como tem cara que inventa notícias, histórias e acaba provocando polêmicas. Com todas as fontes com quem conversei há unanimidade em se apontar que não está nada decidido. Sobre tudo.
 

Pêsames
 

O mundo do basquete está de luto. Morreu nesta semana a esposa de Cláudio Mortari, um dos grandes técnicos da modalidade. Márcia estava doente e lutou muito pela vida. Convivi com Mortari quando ele comandou o Sírio, depois Monte Líbano e seleção brasileira. Apaixonado pelo esporte, merece de todos nós votos de fraternidade e solidariedade.
 

Pré-temporada
 

Quando passar essa pandemia os atletas profissionais vão precisar de um certo tempo para voltar a boa forma física. Está praticamente impossível treinar regularmente, até pela limitação de espaços nas casas e apartamentos e por causa da quarentena. O esporte de 2020 está totalmente comprometido. Os livros de história contarão pouca história.


Mais do ACidade ON