Aguarde...

ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Situação de ponte é crítica, diz prefeito Bruno Covas

A prefeitura diminuiu o número de funcionários trabalhando em obras de escoramento do viaduto por questões de segurança e solicitou a interrupção de circulação dos trens

| ACidadeON/Ribeirao

 

Ponte cedeu na junta de dilatação (Foto: Sigmapress / Folhapress)
Após estudos feitos durante a madrugada desta sexta-feira (16), a gestão Bruno Covas (PSDB) informou que a situação do viaduto que cedeu na pista expressa da marginal Pinheiros é mais crítica do que a esperada inicialmente e que há risco de desabamento da estrutura. 

A prefeitura diminuiu o número de funcionários trabalhando em obras de escoramento do viaduto por questões de segurança e solicitou a interrupção de circulação dos trens que passam sob a estrutura, já que eles estavam gerando oscilação. A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) atendeu o pedido e interrompeu os trens entre as estações Pinheiros e Ceasa da linha 9-esmeralda. 

"Passamos a noite inteira fazendo o monitoramento da estrutura e percebemos uma movimentação agora pela manhã e, ouvindo o especialista, aumentamos nosso índice de criticidade da estrutura. Vamos acelerar os procedimentos de segurança, de cimbramento e de apoio à estrutura para que as pessoas possam trabalhar com segurança", disse Vitor Aly, secretário municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, nesta sexta-feira. 

"Vamos diminuir o número de pessoas para que trabalhem com segurança. Elas têm especialidade em uma condição crítica como essa. Antes que vocês [jornalistas] perguntem se piorou a situação da estabilidade do viaduto, [digo que] piorou", completou Aly. 

"Existe a possibilidade de ruína? Existe. Inclusive, já ligamos para o secretário de Transportes Metropolitanos e pedimos para a CPTM diminuir a velocidade dos trens, porque eles estavam vibrando e fazendo com que as estruturas se movimentassem. O momento agora é de criticidade e nós vamos acelerar os processos de escoramento para que a gente consiga, depois de estabilizar a estrutura, dar prosseguimento nas obras de segurança e recuperação da estrutura", finalizou. 

Ainda que não o digam oficialmente, técnicos da CET e membros da administração Covas já admitem a possibilidade de que os transtornos gerados pelo acidente perdurem por meses.
A pista foi totalmente bloqueada por volta das 4h da quinta (15), no começo do feriado da República, e deverá permanecer assim pelo menos até terça (20), Dia da Consciência Negra, último do feriadão prolongado. 

O viaduto que cedeu passa sobre os trilhos da linha 9-esmeralda da CPTM. O local é rota de acesso à rodovia Castello Branco e próximo ao shopping e ao parque Villa Lobos.
É provável que a interdição, pelo menos parcial, se estenda para além do feriadão, implicando em complicações maiores no trânsito a partir de quarta-feira (21). 

Foram interditados quase 20 km da pista expressa da marginal devido ao ocorrido. João Octaviano, secretário de Transportes, disse que a solução gera problemas, mas é a melhor possível para evitar que as pessoas fiquem "presas na marginal". 

"Estamos pegando todos lá atrás, na entrada da marginal, e jogando na pista local. É um desconforto, mas é a melhor solução operacional, porque senão você vai congestionar a pista expressa e vai acontecer o que aconteceu ontem antes de fazermos a intervenção: muitos veículos ficaram parados por muito tempo na expressa, pois de fato ali só passa um veículo por vez", disse. 

Segundo Octaviano, há três tipos de intervenção previstas para depois do feriado. "Há uma microintervenção, que é a ocupação da pista local da marginal. Uma segunda é um desvio desde a Faria Lima, pegando a Pedroso de Moraes até a Fonseca Rodrigues, Gastão Vidigal e indo para duas ofertas de viagem: uma para a Castello Branco e outra para a marginal Tietê. E há uma macrointerferência que vem desde Imigrantes e Anchieta para evitar que o pessoal se desloque pela avenida dos Bandeirantes até a marginal Pinheiros", disse. 

A marginal Pinheiros é a segunda via mais movimentada de São Paulo, atrás apenas da Tietê, e liga a cidade a diferentes rodovias e avenidas. Em apenas uma hora, no pico de tráfego, 13 mil veículos passam pelas oito faixas da marginal, incluindo a pista local. Cinco dessas faixas estão agora interditadas. 

Em um dia comum, trafegam 450 mil veículos nos dois sentidos da marginal Pinheiros.

Veja também