Câmara de Ribeirão aprova entrada de animais de estimação em hospitais

Instituições da cidade precisam seguir uma série de determinações para que visita traga bem-estar ao paciente e ao pet

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Isabella Grocelli
Zé Carlos Barretta / Folhapress
Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, já permite a visita de animais de estimação (Foto: Zé Carlos Barretta / Folhapress)

 

Não estranhe se, na próxima vez que for a um hospital de Ribeirão Preto, você encontre um visitante de quatro patas na instituição.

A Câmara de Ribeirão Preto aprovou, na sessão ordinária desta quinta-feira (18), um projeto do vereador Igor Oliveira (PMDB) que permite a entrada de animais domésticos e de estimação em hospitais da cidade.

Segundo o vereador, a ideia do projeto surgiu em uma noite de sábado, assistindo à televisão. “Vi uma reportagem estrangeira de um cachorro que foi levado para visitar o dono, que estava internado, e ele apresentou melhoras. No dia seguinte já entrei em contato com minha assessoria”, diz.

Porém, o projeto, que permite que pessoas internadas recebam visitas dos pets de estimação, possui uma série de regras a serem atendidas pelo bem-estar do animal, do dono e dos pacientes do hospital.

A visita só será permitida após a autorização do médico responsável pelo paciente, com agendamento prévio e a apresentação do laudo veterinário atestando as boas condições de saúde do animal. “Importante ressaltar também que o hospital deve destinar um local próprio para a visitação, longe de pontos de isolamento, quimioterapia, transplante, vítimas de queimadura e outros pontos”, explica.

Aguardando a aprovação do Executivo para a implantação do projeto, o vereador diz que, apesar da terapia não prometer curar doenças, ela oferece benefícios. “Eu mesmo tenho cachorros e fico o dia todo fora de casa. Quando vejo a alegria deles, latindo quando chego em casa, aquilo mexe com a gente.”

Projeto testado e comprovado

Implantada em 2009 no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, a visita de animais de estimação é uma prova de que o projeto, com suas devidas recomendações, pode sim funcionar em Ribeirão Preto.

Com 51 animais, entre cachorros, gatos, coelhos e até pássaros, tendo feito visitas na instituição, a gerente de atendimento do serviço ao cliente do hospital na capital, Juliana Hissamura, explica que os benefícios são inúmeros. “Muitos dos pacientes que não tinham sequer previsão de alta se recuperam mais rapidamente quando recebem uma visita. É fantástica a aceitação”, comenta.

E até mesmo os animais ficam emocionados nesse reencontro. “Tem animais que recomendamos até vir de fraldinha por causa da animação da visita. É emocionante acompanhar um desses encontros”, conclui.


4 Comentário(s)

Comentário

Jussara Brunellu

Publicado:

Acho perfeito! Minha mãe morreu internada e pedindo pra ver os cachorrinhos dela... Ela teria ficado muito feliz e os cães tbm. O mais velho desses cães teve depressão qdo minha mãe faleceu.

Comentário

LUIZ GERALDO DIAS

Publicado:

O cão guia é disciplinado pela Lei 11.126-2005 e regulamentado pelo decreto federal n 5904-2006. São normas que disciplinam o apoio e auxílio nos meios de transportes a deficientes visuais. Porém, o decreto federal em seu artigo 1º, parágrafo 3º, de forma extensa, minuciosa, dentre outros lugares, proibe terminantemente a entrada de cães ou animais em HOSPITAIS ou Serviços de saúde em geral, norma extensa que abrange todas as dependências do estabelecimento de saúde. Ademais, o artigo 6º do código de defesa do consumidor, estabelece que os riscos à saúde e segurança das pessoas consumidoras de serviços, bens, é da empresa, caso aqui, do Hospital. Além do que já falamos, vamos imaginar um cão, não apenas transmitindo eventual doença a pacientes - baixa imunidade de defesa - como atacando uns aos outros ou a pacientes e provocando danos físicos e específicos à saúde das pessoas internadas e em tratamento. Como fica??? Até a lei federal e decreto federal, a pessoa de entrar com o cão guia em estabelecimentos de saúde, restaurantes e etc. Longe de polemizar com o vereador autor da lei, entendo ser a lei inconstitucional, especialmente, por afrontar esfera legislativa de competência federal. Acredito que o prefeito Nogueira vetará a lei, sob pena de enfrentar ações judiciais de Hospitais públicos e particulares.

Comentário

aristides marchetti filho

Publicado:

Agora sim que as infecções hospitalares vão se alastrar! Bactérias e vírus não tem o sentimentalismo imposto pelo limite cognitivo dos humanos.

Comentário

LUIZ GERALDO DIAS

Publicado:

Haverá enormes divergências. Primeiro que uma lei, seja municipal, estadual ou federal, não pode obrigar Empresas ou o particular, a adotar em seu ambiente de empresa-trabalho, normas impostas pelo poder público. Ex.: Lei alguma poderá determinar a forma e modo de administração da empresa: Hospital São Lucas, Santa Casa ou Hospital de Clínicas e etc. Mais: Em determinados ambientes hospitalares, até visitantes precisam passar por procedimentos especiais, roupas, calçados e etc, para acessar o paciente e etc....! Imaginemos um animal...que vem do seu ambiente e poderá levar para os Hospitais: fezes, urina, fungos, bactérias, diversificados do homem e poderá sim, levar perigo á saúde e segurança dos pacientes e funcionários. Vamos imaginar pessoas que vão levar de LULUZINHO A PIT BUL. Como controlar isto? Como Lei poderá obrigar o Hospital particular ou público a realizar ou construir espaços para visitações com cães? E os custos disso? Paciente em contato com animais, vai voltar para os leitos do mesmo jeito? sem banho. Recentemente a Assembléia Legislativa do Paraná inventou essa mironga e o Governador VETOU a lei, por orientação DOS PROCURADORES JURÍDICOS DO ESTADO. A Assembléia derrubou o veto, mas o Governador BAIXOU DECRETO, afirmando que NENHUM HOSPITAL ESTAVA OBRIGADO A SUBMETER-SE A LEI Estadual, especialmente, os particulares e ficou nisso. Mais: O código de defesa do consumidor, em seu artigo 6º é claro: os prestadores de serviços, DEVEM OBSERVAR A SEGURANÇA E SAÚDE DOS CONSUMIDORES, aqui, pacientes, doentes. Imaginem um paciente CONTAMINADO POR UMA DOENÇA ANIMAL, raiva, sarna, carrapatos, e venha sofrer uma AÇÃO POR DANOS E ETC??? A Câmara ou Prefeitura, vai arcar com os custos??? Vamos falar aqui de Ribeirão Preto: temos hospitais, UPAS, etc...equivalentes aos citados na lei, que não tem espaço nem para os pacientes que se rolam em dores pelos corredores. Pergunto: onde por ou entrar com cachorros??? Mais: por analogia, supondo que OS HOSPITAIS NÃO QUESTIONEM A LEI EM JUÍZO, porventura SANCIONADA, haverá pessoa que vai se sentir no direito de levar para o paciente, A VISITA DO SEU GATO, do seu passarinho, porque se o Hospital permitir CACHORRO EM VISITA, deverá autorizar outros bichos, sob pena de sofrer ação judicial. Respeito demais o Vereador, mas, data máxima vênia, temos coisas mais importantes a tratar, especialmente, a saúde e remédio para o povo de Ribeirão Preto e deixemos nossos bichinhos em paz, aguardando em casa o retorno de seus donos.