Aguarde...

Colunistas

Investimentos: Mais uma vez, diversifique

O risco de mercado é o risco de perdas em investimentos financeiros causadas por movimentos adversos de preços

| ACidadeON/Ribeirao

Eliseu Hernandez D'Oliveira, assessor de investimento da BlueTrade (Foto: Weber Sian / ACidade ON

Semana passada, escrevi sobre a diferença entre risco sistemático (não diversificável) e o risco não sistemático ou diversificável (relembre aqui). Esse nome se baseia no fato de que a diversificação pode reduzir e muito o risco do seu portfólio de investimentos. Esse risco pode ser decomposto em risco de mercado, risco de crédito, risco de liquidez e risco setorial (existem outros, mas esses são considerados os principais).

Observe que o risco aqui se refere à incerteza do resultado, não à probabilidade de um resultado ruim. Claro que normalmente associamos risco à possibilidade de perda, entretanto na definição de incerteza de resultado, o risco também pode ser a nosso favor se o resultado for positivo. Apenas não era possível saber no início do investimento se seria um ganho ou uma perda.

O risco de mercado é o risco de perdas em investimentos financeiros causadas por movimentos adversos de preços. Exemplos de risco de mercado são: mudanças nos preços de ações ou de commodities, movimentos nas taxas de juros ou flutuações cambiais. Esse risco se refere à volatilidade do preço do ativo (é, geralmente, calculada pelo desvio padrão). Quanto maior a volatilidade, maior o risco de mercado desse ativo. É possível diminuir esse risco diversificando em várias classes de ativos. Por exemplo, ações, renda fixa e ouro. Quanto mais descorrelacionados os ativos da sua carteira, mais a volatilidade estará controlada.
 
Já o risco de crédito é a possibilidade de uma perda resultante da falha do devedor em pagar um empréstimo ou cumprir obrigações contratuais. Isso é medido pelo Rating do ativo. Se tiver uma classificação baixa (<BBB) o emissor tem um risco de inadimplência relativamente alto. Por outro lado, se tiver uma classificação boa (AA ou AAA), o risco de inadimplência será progressivamente diminuído. Ao diversificar em vários ativos de renda fixa, é possível diminuir consideravelmente o risco de crédito. É muito mais difícil várias empresas darem calote do que uma só.

Liquidez é um termo usado para se referir à facilidade com que um ativo ou título pode ser comprado ou vendido no mercado. Basicamente, descreve a rapidez com que algo pode ser convertido em dinheiro. Isso pode ser um risco, por exemplo, ao comprar um imóvel. Caso precise se desfazer rapidamente, será necessário oferecer um grande desconto. Quanto maior a liquidez do ativo, menor será o desconto na hora de sair. Para reduzir esse risco, tenha em seu portfólio ativos altamente líquidos para que possa acessá-los em caso de emergência.

A diversificação setorial é sobre não ter muita exposição a nenhum setor. Pois existem riscos inerentes ao setor, que por mais diversificado que esteja dentro dessa fatia do mercado, ainda sim estaria exposto ao mesmo resultado. Por exemplo, é possível ter ações de várias empresas aéreas, porém todas estão com aviões parados sem conseguir fazer receita, pois os voos ainda estão muito restritos. Diversificar (sim, mais uma vez) em papéis de vários setores é a solução.

Existem outros riscos como, por exemplo, o risco de inflação, mas você já sabe a resposta. A diversificação vai reduzir ao máximo esse risco. Um portfólio de investimentos com uma grande variedade de ativos é capaz de diluir de forma significativa o risco não sistemático.

Mais do ACidade ON