Aguarde...

Colunistas

Fique atento: Duas ciladas para o seu dinheiro

Como era esperado, mais uma vez o Copom reduz juros e mais uma vez decretamos a morte do CDI, pois atingiu 1,90% ao ano

| ACidadeON/Ribeirao

Eliseu Hernandez D'Oliveira, assessor de investimento da BlueTrade (Foto: Weber Sian / ACidade ON

Como era esperado, mais uma vez o Copom (Comitê de Política Monetária) reduz juros e mais uma vez decretamos a morte do CDI, pois atingiu 1,90% ao ano. Para um país que já teve juros em 40%, é inacreditável os patamares atuais. Para a economia real, isso é extremamente benéfico, pois reduz o custo do dinheiro. Entretanto para quem estava acostumado a ter altas rentabilidades sem risco e com liquidez, isso é péssimo. Dessa forma duas ciladas batem à porta. Uma é deixar o recurso na poupança e a outra é buscar altos retornos sem ter ideia do que esteja fazendo e se tornar alvo fácil para pilantras.

Deixar o recurso na poupança é cilada por alguns motivos. Nunca foi um bom investimento, mesmo em época de juros altos. A história de data de aniversário é uma bizarrice tupiniquim. Só poder resgatar o recurso em uma data certa, pois senão perde toda a rentabilidade acumulada, não faz sentido principalmente em uma modalidade de liquidez. Se é para resgatar a qualquer momento, que o recurso seja corrigido até a data de saque.

Sem falar que quando os juros estavam altos, era justamente porque a inflação também estava alta. Nesse caso a rentabilidade real da caderneta era negativa. A alta dos preços era maior que os juros acumulados na poupança. Hoje em dia o dragão está controlado, mas ainda ganha da poupança, que rende 70% da Selic. Como a Selic está em 2% ao ano, então rende 1,40% ao ano. É ou não é cilada? É, mas não tanto quanto a próxima.

A outra cilada é resumida nessa frase: Todo dia sai um bobo e um esperto de casa, o dia que eles se encontram sai negócio. Muitos já ouviram essa expressão. É forte e pode incomodar. Porém, quando vejo a notícia de que existem mais CPFs em pirâmides financeiras do que na bolsa de valores, ela se torna muito verdadeira. Promessas de 2% ao mês, 1% ao dia ou dobre seu capital em pouco tempo, soam ainda mais atrativas com juros de 2% ao ano. Pega muita gente que deseja ganhar dinheiro rápido e fácil (quem não quer?).

Os métodos são sempre os mesmos, mas a ludibriação é sofisticada e se adapta à moda do momento. Sempre terá um produto que é inovador (que de inovador não tem nada), o marketing multinível e a remuneração agressiva inclusive com bônus e premiações de viagens e de carros de luxo. Tudo embelezado para tirar o foco de que a venda do produto em si não se sustenta sem novos entrantes.

A mais conhecida talvez tenha sido a Telexfree. O produto inovador era um VoIP (telefonia pela internet). Grande inovação! Porém já teve avestruz, produtos saudáveis, forex e mais recentemente criptomoedas. E aparentemente está surgindo algumas com o tema energia solar. Todo cuidado é pouco! Desconfie de altas rentabilidades garantidas e com segurança. Procure pelo registro da empresa no site da CVM (Comissão de Valores Imobiliários). Se a empresa trabalha com investimentos financeiros, ela necessariamente precisa ter o registro.

Existem inúmeras formas e fórmulas de se perder dinheiro nessa vida, mas de se ganhar são poucas. É possível nascer rico, casar com alguém rico, ganhar na Mega-Sena, ter um talento especial que se sobressai ou trabalhar duro e investir corretamente. Como a maioria não tem a sorte das quatro primeiras, resta a última. Com CDI em patamares tão baixos, investir corretamente é essencial. Não caia em ciladas!

Mais do ACidade ON