Aguarde...

cotidiano

Filha diz que idoso morreu à espera de leito de UTI em Ribeirão

Jamil Ambar morava no Lar Padre Euclides e era um dos 18 idosos que foram contaminados pelo novo coronavírus

| ACidadeON/Ribeirao

Jamil Ambar morava desde 2016 no Lar Padre Euclídes e contraiu a infecção no asilo (Foto: arquivo pessoal)
 

A família de Jamil Ambar, de 83 anos, que morreu no último sábado (27) com covid-19, denunciou nesta segunda-feira (29) a precariedade do sistema de Saúde de Ribeirão Preto e disse que o idoso faleceu à espera de um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).  

O fato ocorreu no corredor da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da Treze de Maio, localizada na zona Leste da cidade. O hospital é referencia no tratamento da doença e possui uma tenda de consultas exclusivas para pacientes contaminados.  

De acordo com a filha dele, Dayane Ambar, Jamil passou mal na sexta (26), no Lar Padre Euclídes, e foi internado com dores nas costas e falta de ar.  

Assim como ele, outros 18 moradores do asilo testaram positivo para o novo coronavírus e quatro morreram. Esta é a quinta vítima fatal do surto que atingiu pelo menos cinco casas de repouso do município.   

LEIA MAIS
Após surto de casos, Lar Padre Euclides tem mais três infectados
Saúde faz testes em asilos após detectar 47 casos de covid-19
Pelo 3º dia, Ribeirão tem ocupação de leitos acima de 90%
Ribeirão chega a 143 mortes pela covid neste domingo (28) 


"Ele já estava bem mal, com a respiração ofegante e à base de medicamentos, mas ficou aguardando uma vaga na UTI e, infelizmente, não saiu a tempo. Ele veio a óbito. Acredito que se ele fosse atendido antes, teria chances de ser salvo", relata Dayane.  

A filha completa que, apesar da idade, havia esperança de recuperação entre os familiares.  

ACidade ON apurou, ainda, que Jamil tinha DPOC, que é uma doença pulmonar obstrutiva, que impede a passagem de ar pelos pulmões. Além disso, ele morava no Lar Padre Euclides desde 2016, com mais 52 idosos assistidos pela prefeitura municipal.  

Outro lado  

Por meio de nota, a Central de Regulação do Estado diz que o caso de Jamil Ambar foi cadastrado no sábado de manhã e encerrado pela própria Secretaria Municipal de Saúde poucas horas depois da abertura da ficha. O motivo foi o óbito.  

Afirmou também que a regulação já estava sendo conduzida pelo município e pela UPA.

Mais do ACidade ON