Aguarde...

cotidiano

Pandemia prejudica ensino de matemática na rede estadual

De acordo com secretaria da Educação, estudantes do 5º ano do ensino fundamental foram os mais afetados pela pandemia

| ACidadeON/Ribeirao

 

(Foto: Weber Sian/ACidade ON)

Estudo apresentado pela secretaria estadual da Educação de São Paulo aponta que alunos do 5º ano do ensino fundamental apresentaram a maior regressão na aprendizagem, em especial no ensino de matemática, desde o início da pandemia do novo coronavírus (covid-19). 

CLIQUE AQUI E LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE A PANDEMIA DA COVID-19
 
Os estudantes foram avaliados por pesquisadores do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF), que também analisou o desempenho de alunos do 9º ano do ensino fundamental e da 3ª série do ensino médio, no início do ano letivo de 2021.  

O levantamento apontou que as maiores diferenças na escala de proficiência foram verificadas em matemática entre alunos do 5º ano do ensino fundamental, que regrediram em 46 pontos ante o resultado do Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), o sistema de avaliação do ministério da Educação, em 2019.  

O dado representa queda de 19% na aprendizagem, segundo a secretaria da Educação. "O papel do professor, da escola, para aprendizagem de matemática é ainda maior do que comparado a língua portuguesa, que já é gigante", afirma o secretário da Educação, Rossieli Soares.

Já na avaliação de língua portuguesa, os estudantes tiveram desempenho 13% menor do que a avaliação anterior, o que significa uma queda de 29 pontos na avaliação.  

Para o 9º ano do ensino fundamental e o 3º do médio, porém, a defasagem foi menor, embora com perdas no aprendizado. Segundo a Secretaria de Educação do Estado, isso sugere que o impacto da mudança para o ensino remoto foi maior entre os estudantes mais novos.  

Foram analisados os desempenhos de 7 mil estudantes que, segundo os autores do estudo, representam as diferenças sociais e regionais do estado.  

"As informações obtidas podem, agora, orientar a manutenção e o desenvolvimento de políticas eficazes à retomada da aprendizagem, principalmente nos anos iniciais do Ensino Fundamental", disse o secretário, que defende a retomada do ensino presencial.  

As aulas presenciais estão liberadas na rede privada e estadual de São Paulo, desde que seja obedecido o limite de 35% dos alunos dentro das escolas.   

Em Ribeirão Preto, as atividades presenciais nas escolas estão suspensas nas escolas da rede municipal, em razão de uma decisão da Justiça do Trabalho.




Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON