Aguarde...

cotidiano

Polícia Civil prende suspeito de cometer estupros na região

De acordo com a Polícia, a autoria dos crimes foram confirmadas por amostras de DNA colhida do suspeito

| ACidadeON/Ribeirao

Suspeito de cometer estupros tem 37 anos e foi detido em uma usina na região (Foto: Reprodução/EPTV)
 
A Polícia Civil prendeu nesta quinta-feira (10) um homem que é suspeito de cometer estupros na cidade de Pitangueiras, na Região Metropolitana de Ribeirão Preto. De acordo com a polícia, a autoria dos crimes foi confirmada por exames de DNA em quatro agressões contra mulheres. 

O suspeito se chama Rodolfo Aparecido de Souza, de 37 anos de idade, que trabalha em uma usina em Sertãozinho. A Polícia cumpriu o mandato de prisão no local de trabalho do suspeito. De acordo com o delegado da seccional de Sertãozinho, José Carvalho de Araújo Jr., a polícia conseguiu chegar até o autor por meio de denúncia anônima.  

"Convidamos todos para fornecer material biológico, sangue, para exame. Ele concordou, fizemos a coleta e o material foi levado ao laboratório. Em confronto com o material biológico coletado no corpo das vítimas e nos locais de crime, restou positivo com 100% de segurança em quatro casos de roubo seguido de estupro", diz o delegado.

Segundo o delegado, além de Pitangueiras, Rodolfo também estaria relacionado a crimes cometidos em Sertãozinho. Araújo Jr. afirma que o suspeito conhecia a rotina das vítimas e trabalhava, inclusive, com familiares delas.  

"O modo de agir é que o marido estava trabalhando, aí ele aproveitava, seguia para a casa da vítima, aí ele praticava o estupro e o roubo. Sempre ameaçava a vítima com faca ou chaves de fenda", declarou.  

Na delegacia, o suspeito negou a autoria dos crimes e disse que o resultado de exame de DNA teria sido "armado" para poder pegar ele. "Não sou eu não. Se fosse eu, eu ia dar o meu sangue para falar que foi eu?", disse Rodolfo, que declarou ter três filhos.  

A prisão do suspeito de cometer os crimes de estupro é temporária e, por ser crime hediondo, é válida por 30 dias. O delegado José Carvalho de Araújo Jr. afirma que solicitará para que a prisão seja transformada em preventiva. O suspeito foi levado para a cadeia pública de Pradópolis (com EPTV).

Mais do ACidade ON