Aguarde...

cotidiano

Laudo aponta que bebê que morreu na Mater aspirou fezes

A morte do recém-nascido, em Ribeirão Preto, no dia 5 de janeiro de 2020, está sendo investigada pela Polícia Civil

| ACidadeON/Ribeirao

Os pais tinham preparado o quarto para a chegada do terceiro filho (Foto: Arquivo Pessoal)

O atestado de óbito do recém-nascido Pedro Ronaldo Muniz aponta como causa da morte a aspiração de fezes. O caso, que está sendo investigado pela Polícia Civil, ocorreu no dia 5 de janeiro de 2020 no Centro de Referência em Saúde da Mulher, a Mater de Ribeirão Preto.  

A família alega que o pedido para realizar uma cesárea foi negado pela Mater. A unidade de saúde disse que está colaborando com a investigação (veja a nota completa abaixo).


CLIQUE AQUI E LEIA MAIS NOTÍCIAS DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO
 
 
De acordo com o atestado, a criança sofreu com anoxia perinatal, ou seja, falta de oxigenação no momento do parto, e teve uma aspiração maciça de mecônio, que são as fezes do feto evacuadas ainda no útero da mãe.

O documento ainda aponta que é aguardado o resultado de exames para complemento do diagnóstico.  
 

Entenda
 
O caso passou a ser investigado pela Polícia Civil após o pai da criança, o vendedor Ronaldo José Vicente Muniz, registrar boletim de ocorrência por suspeita de erro médico no atendimento recebido pela esposa, Elaine Rodrigues.  

O comerciante afirma que a esposa havia sido diagnosticada com infecção urinária e, mesmo assim, os médicos teriam optado por realizar parto normal.  

"Mesmo a minha esposa com infecção urinária, o hospital se negou a fazer a cesárea. Fizemos o último ultrassom lá e foi a Mater quem viu a infecção na sexta [dia 3 de janeiro]. Aí, quando começou mesmo o trabalho de parto, eles induziram por mais de 15 horas. Já sabendo da infecção urinária, com dor, sem condições nenhuma de ter um filho por parto normal, eles se negaram a fazer a cesárea. Quiseram ir até o último momento para custar a vida do meu filho", declarou o pai em entrevista ao ACidade ON.  
 

Outro lado
 
Em nota, a secretaria estadual da Saúde, responsável pela gestão da Mater, disse que está à disposição dos familiares e autoridades para esclarecer o caso. Ainda ressaltou que segue protocolos nacionais e internacionais de atenção à gestante. 

Leia a íntegra da nota:  
"Todos os documentos relacionados ao óbito foram providenciados e fornecidos, bem como os esclarecimentos à família. A unidade segue à disposição dos familiares e autoridades para colaborar com as investigações, e tomará as providências cabíveis se constatada qualquer falha assistencial. A MATER informa que a paciente Elaine Rodrigues foi atendida prontamente ao dar entrada na unidade. Ela ainda não estava em trabalho de parto, que foi induzido dentro dos protocolos nacionais e internacionais de atenção à gestante, conforme conta na apuração preliminar já em andamento pela unidade. Não havia indicação médica de cesárea para seu caso e o bebê apresentava sinais vitais normais".  
 

MAIS
Polícia Civil apura morte de bebê após parto em Ribeirão

Mais do ACidade ON