Aguarde...

cotidiano

Corregedoria da PM investiga policiais por suposto atentado

Militares são suspeitos de jogarem explosivos contra casa de líder de partido político em Nuporanga, após discussão em rede social; ouvidor pede afastamento dos agentes

| ACidadeON/Ribeirao

Pessoa com capuz entra em viatura policial após o suposto atentado (Imagem: Câmera de segurança)
A Corregedoria da Polícia Militar (PM) investiga policiais suspeitos de participação em um suposto atentado contra a casa da presidente do diretório municipal do PT (Partido dos Trabalhadores) em Nuporanga.  
 
O caso, ocorrido na madrugada do último domingo (28), teria sido motivado por um desentendimento nas redes sociais.   

CLIQUE E LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO
  
À Polícia Civil, a professora Mariene Guioto de Souza relatou ter discutido com um policial no dia anterior ao caso. 
 
"A vítima comentou na rede social sobre a ação de policiais em uma determinada ocorrência. No sábado à noite, ela acabou discutindo com um policial na rede social e, durante a madrugada, tivemos esse episódio", afirmou o delegado Clodoaldo Vieira Delgado.  
 
Apuração  
 
O ouvidor das polícias do Estado de São Paulo, Elizeu Soares Lopes, exigiu uma apuração rigoroso do caso.    

"Assisti ao vídeo e fiquei indignado com o atentado, sobretudo porque envolve policiais militares. É inadmissível, vivemos em plena democracia, e não podemos aceitar um fato como esse. Hoje eu requisitei ao corregedor da PM uma investigação que apure os fatos, as circunstâncias. E hoje mesmo pedi para que afastasse os policiais", afirma. 
 
O caso 
 
Imagens registradas por uma câmera de segurança mostram uma viatura fazendo a ronda pela região central da cidade. No vídeo ainda é possível observar um "clarão" de uma casa.   
 
Logo depois, quando a viatura da PM está na esquina, uma pessoas com capuz corre para dentro do carro. Outro "clarão" ocorre e os militares vão embora. 
 
Em boletim de ocorrência (BO) registrado, Mariene e a mãe relataram ter ouvido o barulho de um veículo deixando o local. 

No depoimento, elas também alegaram ter encontrado marcas de pólvora e estilhaços do que parecia ser um explosivo perto do portão da garagem e da parede da cozinha na manhã de domingo. (Com EPTV)

Mais do ACidade ON