Aguarde...

cotidiano

PF de Ribeirão faz buscas contra fraudes no auxílio emergencial

Ação denominada Sorrateiros cumpre 11 mandados nesta quinta (29); são 183 contas fraudadas e prejuízo estimado em R$ 220 mil

| ACidadeON/Ribeirao

Atualizada às 12h37 

A PF (Polícia Federal) de Ribeirão Preto cumpre 11 mandados de busca e apreensão nesta quinta-feira (29) durante a operação Sorrateiros, que apura fraudes no auxílio emergencial.  Além de Ribeirão, há mandados em Sertãozinho e Dumont.

Segundo a PF, foram identificadas 183 contas de auxílio emergencial fraudadas, cujo prejuízo é estimado em R$ 220 mil.  

Além de máquinas de cartão, a investigação também apurou 18 pagamentos em sites e-commerce com valores de contas alvos do golpe.  

A PF também suspeita do uso de empresas de fachada na transação.

LEIA MAIS NOTÍCIAS DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO

"Somadas as ações de hoje, já se somam 70 operações policiais visando o combate às fraudes, com a realização de mais de duas centenas de mandados de busca e mais de 30 indivíduos presos", disse a PF, em nota. 

Os investigados poderão responder por crime de estelionato majorado e associação criminosa, cujas penas, somadas, podem chegar a dez anos de prisão. 

Polícia Federal de Ribeirão Preto deflagrou a operação Sorrateiros (Foto: Michelle Souza / CBN Ribeirão)

A ação 

A operação contra golpes no benefício pago pelo Governo Federal durante a pandemia da covid-19 faz parte de um plano chamado de Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE).  

Além da Polícia Federal, também participam entidades como o Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, Caixa Econômica Federal, Receita Federal, Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União. 

A PF explicou que as fraudes consistiam, inicialmente, na obtenção clandestina de dados pessoais de 201 potenciais beneficiários, sua inserção no aplicativo Caixa Tem e o recebimento dos valores do benefício.  

Foram identificadas compras com o uso de QR-Code em 11 estabelecimentos comerciais físicos e sites de e-commerce, conforme a polícia.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON