Publicidade

lazerecultura

Saiba quando se preocupar com os lapsos de memória

Deu branco? É sinal de que o seu cérebro precisou aliviar alguma sobrecarga; se ocorrer com muita frequência ou gravidade, é hora de investigar seus hábitos para identificar as causas e definir soluções

| ACidadeON/Ribeirao -

Alessandra Codato Eufrásio adotou a meditação para aliviar o estresse, que lhe provocava frequentes lapsos de memória (Foto: Matheus Urenha / A Cidade)
 

Todo mundo, alguma vez na vida, já pegou o telefone para fazer uma ligação e esqueceu para quem era na hora de discar... Já perdeu o carro no shopping por não fazer ideia de onde estacionou... E sair de um cômodo para fazer algo em outro e esqueceuro que era no caminho?  

Lapsos de memória como estes são comuns, independente da idade, e costumam render boas piadas ou anedotas para compartilhar com amigos naquele churrasco do fim de semana.  

Segundo o neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e professor da Universidade Federal de São Paulo Fabiano Moulin de Moraes, numa quantidade inofensiva,esses "brancos" são até mais saudáveis do que parecem. 

"Eles são uma benção, já que o saudável é não se lembrar de tudo. Porque, na prática, o cérebro não se preocupa com perfeição e sim com o suficiente", completa.  

Eles constituem sinal de alerta quando a frequência ou a gravidade começam a atrapalhar o cotidiano a ponto de causar prejuízos. Aí é hora de investigar a causa e buscar soluções.  

Moulin explica que muitos esquecimentos decorrem de falta de atenção causada pela exposição a atividades simultâneas ou excessivas. "Uma pessoa cansada, que vive ansiosa, estressada, dorme e come mal certamente vai ter a capacidade cognitiva afetada", frisa.

Estresse  

Com a dona de casa Alessandra Codato Eufrásio, de 43 anos, aconteceu assim. Casada, mãe de quatro filhos sendo que um deles está em tratamento oncológico -, ela enfrentou uma rotina estressante que a levou a sofrer vários "brancos". 

Esquecia de pagar contas, de ir a consultas médicas e outras coisas básicas do dia a dia. Estava com estafa mental e não conseguia mais me concentrar", conta.  

Por orientação médica, Alessandra passou a fazer meditação e controle da respiração. "Aliado a isso, passei a caminhar todos os dias ao ar livre. Foi a alternativa que encontrei para aliviar a tensão do dia a dia", comenta.  

Deu certo. "A caminhada é o momento que tiro para mim e o que me ajuda na concentração, na memória e no alívio do estresse", garante.  

Moulin aprova. "Pequenas mudanças na rotina podem fazer muita diferença na vida das pessoas. O problema, hoje, é que se confunde o comum com saudável. Ou seja, é comum que as pessoas não durmam bem, que tenham vidas estressantes. Mas, na verdade, isso é péssimo, não é saudável!". 

DICAS PARA MELHORAR A MEMÓRIA 

DORMIR BEM  

Só há possibilidade de haver memória com sono. Porque é durante a noite que tudo aquilo que a pessoa viveu durante o dia é consolidado, quando o que importa fica e o que não é acaba eliminado. Por isso, quem dorme mal tem problemas de memória.

INFORMAÇÕES  

Cuidar do volume de informações na memória é importante. Por isso, não cheque o telefone o tempo todo, aprenda a tolerar o tédio ou faça dele algo produtivo. Uma das maneiras de fazer isso é meditando, já que esta é uma academia maravilhosa da atenção.

ATENÇÃO  

Quando alguém não se lembra de algo, acredita que tem um problema de memória. Mas, na verdade, não é. Para ter memória é preciso ter atenção e é aí que se tem o problema, pois a cabeça da pessoa nunca está no "aqui e agora", mas pensando em muitas outras coisas.

MOTIVAÇÃO  

Só tem atenção quem tem motivação. Daí a importância de fazer algo de que se goste, para ter motivação e entusiasmo. Não é à toa que pessoas com depressão, que perdem a motivação, têm prejuízos de memória. Cuidar da felicidade, do propósito e do humor também é importante para a memória.

ROTINA  

Criar mecanismos para facilitar o dia a dia pode ser uma boa opção para quem tem brancos. Se a pessoa percebe que ao sair da rotina a memória piora, vale a pena adquirir um padrão, que pode ser algo simples, como anotar os compromissos em uma agenda, por exemplo.

ATIVIDADE FÍSICA  

A atividade física é o melhor remédio para a memória. Isso vale, inclusive, para quem tem Mal de Alzheimer, por exemplo, já que em quem pratica atividade física a evolução
da doença é mais lenta do que naquele que não faz nenhuma.  

FONTE: Fabiano Moulin de Moraes, neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e professor da Universidade Federal de São Paulo 

A hora certa de fazer algo a respeito

O neurologista Fabiano Moulin explica que o cérebro é a máquina mais complexa do corpo e a memória a função mais complexa desta máquina. "Então, usar a memória como um critério, uma bandeirinha de que há alguma coisa fora do comum é uma boa estratégia", garante.  

E o alerta, segundo ele, não é indicador só de doença, como um Alzheimer, por exemplo. Pode ser e normalmente está relacionado a uma sobrecarga de informações e atividades. "O nosso cérebro está sendo exposto a uma sobrecarga de informações, experiências, afetos, memórias como nunca se viu antes. E essa sobrecarga, sem dúvida alguma, afeta nossa capacidade de lembrar das coisas", explica.  

De acordo com Moulin, lapsos de memória são sinais de desequilíbrio que podem ter diferentes causas: sobrecarga, estresse, questões hormonais (gravidez e menopausa), privação do sono, etc. "Por isso é importante fazer de tudo para reduzir esses excessos através de atividade física, meditação, uma boa noite de sono e boa alimentação."  

Para o neurologista, é preciso transformar as preocupações com a memória em ação através da busca pelo equilíbrio. 

"Aqueles brancos que não incomodam não querem dizer nada. Na verdade, fique feliz por ter memória imperfeita. O problema está quando estes lapsos passam a prejudicar o dia a dia. É nesta hora que vale a pena parar e procurar um neurologista", finaliza. 

Treinar a memória é muito importante e os exercícios devem ser diários, como ler mais, fazer novas atividades, conhecer novos lugares e pessoas. A dica é: seja curioso e se mantenha curioso. Tudo isso é um importante estímulo à memóriaFabiano Moulin de Moraes, neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e professor da Universidade Federal de São Paulo 

LEIA TAMBÉM 

Yoga e meditação trabalham memória e concentração

Mais notícias


Publicidade