ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

Política

Defesa ataca delação e compara Dárcy com senadora do PT

Na argumentação final protocolada anteontem, defesa ainda pede anulação da Sevandija; decisão judicial deve sair nos próximos meses

| ACidadeON/Ribeirao

(foto: Renato Lopes / Especial - 02.out.2016)

ATUALIZADA ÀS 9H30  

Na argumentação final do processo dos honorários advocatícios, a defesa de Dárcy Vera pediu a anulação da Operação Sevandija, atacou a delação premiada de Wagner Rodrigues e comparou a situação da ex-prefeita com a da senadora Gleisi Hoffmann (PT), absolvida há duas semanas pelo STF (Supremo Tribunal Federal). 

O documento dedica apenas uma linha de suas 129 páginas para citar o empréstimo de R$ 120 mil em dinheiro vivo que Dárcy alega ter feito de Zuely Librandi, sem explicar os motivos de não ter declarado o montante no imposto de renda ou firmado contrato. Tampouco explicou porque não recebeu a quantia em cheque ou transferência eletrônica, preferindo a entrega dentro de envelopes no Palácio Rio Branco.  

Além de pregar a inocência de Dárcy e rebater as acusações (ver infográfico), conforme já havia elencado sem sucesso ao longo do processo, a advogada Claudia Seixas apostou todas as fichas em um novo argumento: a delação de Wagner não teria respeitado os trâmites legais.   

Segundo Claudia, a delação foi feita perante o Gaeco e homologada pela 4ª Vara Criminal de Ribeirão Preto, em outubro de 2016. À época, Dárcy era prefeita e detinha foro privilegiado.  

Assim, a defesa argumenta que a delação deveria ter sido feita também perante a Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) e validada pelo Tribunal de Justiça. "A delação de autoridade com prerrogativa de foro atrai a competência do Tribunal competente para a respectiva homologação e, em consequência, do órgão do Ministério Público que atua perante a Corte", argumentou Claudia.

Rebate 

O promotor do Gaeco Frederico Mellone Camargo afirmou ao A Cidade que "todas as medidas de respeito ao foro foram tomadas", que as informações relacionadas à ex-prefeita foram remetidas à Procuradoria Geral de Justiça e que, "em momento algum", ela foi investigada por autoridade sem o foro competente. 

Ele afirmou que a delação de Wagner abordou todo o contexto do núcleo dos honorários, e não foi direcionada à ex-prefeita. Caberá ao juiz Lúcio Ferreira, da 4ª Vara Criminal, analisar as alegações finais. Com base nas provas do processo e nos argumentos do Gaeco e das defesas ele irá proferir a sentença que deve ser publicada nos próximos meses.  

Comparação com senadora 

A defesa pediu que o juiz Lúcio Ferreira, da 4ª Vara Criminal, julgue o processo de maneira "imparcial", sem ser influenciado pelo "escárnio público e midiático que a ré vem sofrendo diariamente". Cita, nesse contexto, a recente absolvição da senadora Gleisi Hoffmann.   

"O STF, de forma imparcial e sem dar atenção (como é de rigor) ao clamor público e a comoção social, entendeu que delações contraditórias, e cujas informações não são corroboradas por outras provas, não podem servir como provas aptas para uma condenação e absolveu nada mais, nada menos, que a atual Presidente do Partido dos Trabalhadores", afirma a advogada.   

Promotor Frederico

O que diz o Gaeco 
  
Mediante propina, Sandro Rovani e Wagner Rodrigues fraudaram atas do sindicato dos servidores para que os funcionários públicos cedessem R$ 69 milhões do acordo dos 28% para pagar honorários advocatícios a Zuely Librandi, que era auxiliada por André Hentz. Dárcy Vera e Marco Antonio dos Santos acertaram propina de, respectivamente, R$ 7 milhões e R$ 2 milhões, para a prefeitura efetuar os pagamentos mensais à advogada.   

De janeiro de 2013 a setembro de 2016, ela recebeu R$ 45 milhões.

Fase atual do processo 
  
Com exceção de Zuely, todas as defesas já apresentaram as alegações finais. Agora, juiz Lúcio Ferreira irá analisar os argumentos dos réus e do Ministério Público, embasados em provas trazidas ao longo do processo, para decidir se condena ou absolve os acusados.    


As apostas finais de Dárcy

O que a defesa não explicou 

Empréstimo  

Cita apenas em uma linha o empréstimo de R$ 120 mil que alega ter feito de Zuely Librandi, em dinheiro vivo, conforme afirmou ao ser interrogada em dezembro do ano passado. Não explicou o que a levou a não documentar a dívida e receber a quantia por meios mais seguros, tampouco o que faria com o dinheiro.

Pagamentos  

Interceptações telefônicas mostram Zuely reclamando a interlocutores que precisaria sacar dinheiro para "ele" e "ela", em referência a Dárcy e Marco Antonio.   

Em depoimento, também disse que pagava o cartão de crédito da ex-prefeita. A defesa de Dárcy não abordou essas conversas nas alegações finais

Quebra de sigilo  

Quebra do sigilo bancário de Dárcy apontou que em sua contas entraram, entre 2010 e 2015, R$ 545,8 mil a mais do que seus rendimentos brutos, enquanto prefeita.  

O montante, para a PGE, é baixo, e seria indicativo de que ela ocultou patrimônio. Já a defesa utiliza o argumento de que as cifras milionárias de propina nunca foram localizadas, justamente porque não existiram.

Como estão os outros núcleos da Sevandija 

Atmosphera/Coderp 

Apura fraudes e corrupção no apadrinhamento de terceirizados na Atmosphera. Processo está em fase de alegações finais, mas está com tramitação suspensa desde o final de abril por decisão do STJ, que analisa se o caso deve ser remetido à Justiça Federal.
 
Daerp

Denuncia fraude no contrato inicial de R$ 68,4 milhões, que depois recebeu aditivo de R$ 15,3 milhões, com a empresa Engepav, do grupo Aegea. Processo está na fase de oitiva de testemunhas.  

Lavagem de dinheiro   
 
A primeira leva de denúncias de lavagem, investigada em inquérito paralelo ao da Sevandija, foi movida no final de junho, tendo como base a Operação Houdini. O alvo principal é Sandro Rovani, que teria movimentado R$ 1 milhão mesmo após a deflagração da Sevandija. Processo ainda está em fase de defesas prévias.




Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Veja também