27 de maio de 2024
- Publicidade -
Tudo Notícias

Caso ‘tio Paulo’: defesa de mulher alega problemas de saúde de filha

Mulher que cadáver a agência bancária, o “tio Paulo”, diz que tem filha deficiente e pede liberdade provisória

Mulher que levou idoso à agência bancária diz que tem filha com problemas de saúde
Mulher que levou idoso à agência bancária diz que tem filha com problemas de saúde (Foto: Reprodução/ TV Globo)

Érika de Souza Vieira Nunes segue presa depois de conduzir, a uma agência bancária, Paulo Roberto Braga, o “tio Paulo”, em uma cadeira de rodas. A morte do homem foi confirmada pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) dentro do banco e a mulher foi autuada por furto mediante fraude e vilipêndio a cadáver.

A audiência de custódia ocorreu na tarde de ontem na cadeia José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio. 

Érika estava acompanhada de sua advogada, Ana Carla de Souza Corrêa, que pediu à Justiça a liberdade provisória da cliente e, se esse pedido não fosse atendido, que Érika pudesse passar a cumprir prisão domiciliar, para poder cuidar da filha de 14 anos que tem problemas de saúde, sem diagnóstico conclusivo. Já o Ministério Público (MP-RJ) pediu à Justiça que a prisão em flagrante fosse convertida em preventiva.

LEIA TAMBÉM
‘Tio Paulo no banco’: o que é vilipêndio a cadáver?
‘Tio Paulo’ estava vivo quando chegou ao banco?

Filhos de Érika

Na audiência, foi dito que Érika tem quatro filhos, de 28, 27, 17 e 14 anos, e morava com eles e o tio, agora morto. Para levar o tio ao banco, ela deixou a filha com problemas de saúde, Beatriz, aos cuidados do irmão de 27 anos.

A juíza Rachel Assad da Cunha atendeu o MP-RJ e afirmou que, pelo que se percebe nos vídeos, quem queria fazer o empréstimo era Érika, embora o dinheiro não pertencesse a ela. Registrou ainda que a presa parecia mais preocupada com o empréstimo do que com a saúde do tio e a possibilidade de ter levado o tio já morto ao banco “torna a ação mais repugnante e macabra”.

‘Estado de incapacidade’

“O ponto central dos fatos não se resume em buscar o momento exato da morte, informação que sequer o exame de necropsia conseguiu apontar. A questão é definir se o idoso, naquelas condições, mesmo que vivo estivesse, poderia expressar a sua vontade. Se já estava morto, por óbvio, não seria possível. Mas, ainda que vivo estivesse, era notório que não tinha condições de expressar vontade alguma, estando em total estado de incapacidade”,

escreveu a juíza.

“Portanto, ainda que se alegue não ter a custodiada percebido a sua morte e não ser possível estabelecer o momento exato em que ela teria ocorrido, certo é que o idoso não respondia a qualquer estímulo, o que pode ser notado nos vídeos.”

A magistrada ainda registra que o laudo de necropsia, feito pelo Instituto Médico Legal do Rio, não determina a hora exata em que o idoso morreu, “mas também não afasta a possibilidade de que o idoso já estivesse morto ao ingressar na agência, descrevendo informação do Samu de que o idoso já estava morto havia algum tempo (…) Assim, ainda que a custodiada não tenha notado o exato momento do óbito, era perceptível a qualquer pessoa que aquele idoso na cadeira de rodas não estava bem. Diversas pessoas que cruzaram com a custodiada e o sr. Paulo ficaram perplexas com a cena, mas a custodiada teria sido a única pessoa a não perceber? O que salta aos olhos e incrementa a gravidade da ação é que em momento algum a custodiada se preocupa com o estado de saúde de quem afirmava ser cuidadora.” Segundo a juíza, “o ânimo da indiciada se voltava exclusivamente a sacar o dinheiro, chegando ao ponto de fazer o senhor Paulo segurar uma caneta para demonstrar que estaria assinando o documento”.

- Publicidade -

Alta hospitalar

A juíza diz ainda ter sido informada de que o idoso recebeu alta de internação por pneumonia na véspera da ida ao banco. “Caberá à instrução probatória verificar, ainda, se a própria conduta (de levá-lo ao banco) não teria contribuído ou acelerado o evento morte, por submeter o idoso a tanto esforço”, escreveu. “A primariedade, por si só, não confere o direito à liberdade, ainda que comprovados residência fixa e atividade laborativa lícita”, seguiu a magistrada, que indeferiu o pedido de prisão domiciliar “já que o fato de a custodiada possuir filha com problemas de saúde não pode servir como salvo conduto para a prática de crimes”. “Acrescente-se que a custodiada se desobrigou dos cuidados com a filha para praticar a conduta criminosa, uma vez que deixou a adolescente aos cuidados do irmão mais velho.”

A reportagem tentou ouvir a advogada de Érika sobre a conversão da prisão em preventiva, mas não obteve retorno até a noite de ontem. Anteriormente, a defesa havia destacado que o idoso estaria vivo ao chegar à agência bancária.

Motorista de app e mototaxista afirmam que idoso estava vivo

Na quarta-feira (17), o motorista de aplicativo que foi chamado para buscar Paulo Roberto Braga e Érika de Souza Vieira Nunes e um mototaxista, que ajudou a colocar o idoso no carro, prestaram depoimentos à Polícia Civil. Ambos afirmaram que, na presença deles, o idoso ainda estava vivo.

O mototaxista disse que conhecia Braga e que foi chamado por Érika para ajudar a colocá-lo no carro por volta de 12h20. Ele afirmou que, quando entrou na casa, o idoso estava na cama e, quando o segurou, “ele ainda respirava e tinha força nas mãos”.

- Publicidade -

Já o motorista do transporte de app disse que, quando era retirado do veículo, no estacionamento do shopping onde ficava a agência bancária em Bangu, o idoso “chegou a segurar a porta do carro”. O condutor afirmou ainda não ter visto nada estranho durante a viagem.

Em seu depoimento à polícia, Érika disse que o empréstimo que tentava fazer em nome do idoso, no valor de R$ 17 mil, seria para comprar uma TV e fazer uma reforma na casa de Braga.

*Com informações de Agência Estado.

LEIA MAIS
Veja o que é celebrado hoje

Anthony Souza

editor
É jornalista e analista de Mídias Digitais Jr. do Grupo EP. Tem experiência com reportagens multimídia e produção de web documentário. É formado em jornalismo pela Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e tem afinidade com produção e edição de conteúdo para as redes sociais. Está no grupo desde 2022.
- Publicidade -
plugins premium WordPress