14 de abril de 2024
- Publicidade -
Tudo Notícias

Lula se reunirá com Maduro, mas sem discutir Essequibo

O encontro ocorrerá na tarde desta sexta-feira (1°) e a discussão será centrada em assuntos da Celac; entenda

presidentes da Venezuela e do Brasil
Venezuela requer soberania sobre Essequibo, região rica em petróleo (Foto: Wikimedia)

Em seu último dia de viagem à Guiana, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que se encontrará na tarde desta sexta-feira (1°) com Nicolás Maduro, atual presidente da Venezuela. Lula participará como convidado da cúpula da Celac (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos) em reunião que acontecerá no Caribe.

LEIA MAIS

Uso recreativo da maconha passa a ser legal na Alemanha

PGR é favorável à quebra de sigilos de Janones

Essequibo

A região de Essequibo é disputada pela Venezuela, que requer soberania mesmo que dois terços do espaço pertençam ao território guianense. A localidade visada pela Venezuela é rica em petróleo e o regime venezuelano chegou a promover um referendo, em dezembro do ano passado, a fim de legitimar a anexação do espaço.

O tom de ameaça de guerra entre países vizinhos fez com que Lula se manifestasse, colocando o Brasil na posição de mediação entre as duas nações, mesmo sem acreditar que o assunto se resolva rapidamente. “Se em 100 anos não foi possível resolver esse problema, é possível que a gente leve mais algumas décadas. A única coisa que eu tenho certeza é que a violência não resolve, ela criará outros problemas”, disse.

- Publicidade -

Tais declarações foram dadas em Georgetown, após reunião com o presidente da Guiana, Irfaan Ali, na qual o brasileiro garantiu não ter discutido a questão do Essequibo “Não era o momento de discutir. É uma reunião bilateral, para discutir desenvolvimento, investimento”. “Da mesma forma, não vou conversar com Maduro sobre essa questão.”, completa.

O conflito entre estes vizinhos apareceu apenas de maneira indireta no discurso de Lula. Ontem, ele prometeu que o Brasil vai trabalhar para que a América do Sul seja uma zona de paz “Nossa integração com a Guiana faz parte da estratégia de ajudar não apenas no desenvolvimento, mas de trabalhar intensamente para que a gente mantenha a América do Sul como uma zona de paz no planeta Terra. Não precisamos de guerra”, afirmou.

Mediação

O Brasil assumiu o papel de principal mediador da crise entre Guiana e Venezuela e trabalha para reduzir a tensão na região. “Esse é papel que o Brasil pretende jogar na América do Sul e no mundo”, afirmou o presidente brasileiro.

Em resposta, Ali agradeceu a visita de Lula e sua participação no encontro de chefes de governo da Caricom (Comunidade do Caribe). “Essa região permanece como uma região de paz e de estabilidade, onde soberania e integridade territorial é respeitada”, disse o presidente da Guiana.

- Publicidade -

A presença de Lula em Georgetown vem sendo interpretada nos bastidores da diplomacia e por analistas como um gesto de apoio à integridade territorial da Guiana e um aviso à Venezuela. Lula, no entanto, se recusa a criticar o regime chavista.

O mandatário brasileiro tem uma relação de afinidade política com o regime venezuelano e atuou como avalista da reabilitação internacional de Maduro, que é candidato à reeleição este ano e vem retirando seus principais rivais da disputa, para não correr riscos de uma surpresa nas urnas.

Ainda não existe uma data para a votação, mas o chavismo já desqualificou vários candidatos, entre eles a opositora María Corina Machado, nome mais competitivo e capaz de derrotar o chavismo, além de não permitir uma missão de monitoramento da União Europeia.

A realização de eleições limpas e transparentes, com a participação de opositores, era uma das condições fundamentais exigidas pelos EUA para suspender as sanções econômicas à Venezuela. Algumas medidas haviam sido levantadas como parte de um acordo entre governo e oposição, firmado em Barbados.

No entanto, diante da repressão aos dissidentes, em janeiro, a Casa Branca afirmou que restabeleceria as sanções ao setor petrolífero venezuelano, a partir de abril. Os americanos também estariam considerando impor outras medidas para punir o regime chavista, mas as possíveis ações não foram especificadas.

Reservadamente, diplomatas do Itamaraty admitem que a repressão a dissidentes na Venezuela é um sinal de retrocesso, mas argumentam que se posicionar agora seria precipitado e poderia prejudicar o papel de mediador do Brasil.

*Com informações da Agência Estado

**Sob supervisão de Marcos Andrade

LEIA TAMBÉM

Quais deputados assinaram pedido de impeachment contra Lula?

Janaína Boaventura
Estagiária no Tudo EP e a A Cidade ON, é graduanda em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Adentrou no Grupo EP em 2024 e atua nos conteúdos digitais, enfaticamente com a parte textual.
- Publicidade -
plugins premium WordPress