Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

Política

Sismar diz que greve será apenas quando servidor for obrigado a cumprir jornada

Através de nota, sindicato se posicionou sobre tema discutido e aprovado na Câmara; medida segue para prefeito Edinho Silva

| ACidadeON/Araraquara

Assembleia da Sismar deliberou estado de greve. (Foto: Amanda Rocha/ACidadeON)

Após aprovação do projeto de Lei na Câmara para regulamentar a jornada de trabalho dos servidores municipais de Araraquara, o Sindicato dos Servidores Municipais de Araraquara e Região (Sismar) se posicionou e disse que a greve será deflagrada somente depois que o prefeito Edinho Silva (PT) sancionar a medida e exigir dos trabalhadores seu cumprimento.

Por meio de uma nota, o Sismar, informa que os servidores só entrarão em greve no dia em que as unidades começarem a exigir que os servidores façam a carga horária de oito horas. "Está mantida a deliberação da categoria tomada em assembleia de iniciar a greve assim que houver determinação da chefia para cumprimento da jornada diferente da atual", diz o documento.  

Câmara aprova projeto da Prefeitura que regulamenta jornada dos servidores municipais


Entenda
Para entender onde começou o impasse na jornada de trabalho dos servidores é preciso voltar no tempo. Em novembro do ano passado, o Ministério Público (MP) e a Prefeitura assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para acabar com a diferença no cumprimento da jornada de trabalho entre funcionários com o mesmo cargo. Segundo dados da administração municipal, cerca de 1,2 mil trabalhadores, dos 7 mil, seriam afetados pela medida.

A medida aprovada pelo Legislativo fixa a jornada de trabalho dos empregados públicos em 8 horas, com limite de 40 horas semanais, como previsto no Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) da Prefeitura. Além disso, define que o servidor municipal pode requerer a redução de sua jornada proporcional de 8 para 6 ou 4 horas - chamada de jornada diferenciada.

Segundo a Prefeitura, o servidor que estiver fazendo um período de trabalho menor, poderá optar pela diferenciada, sem redução do valor da hora trabalhada, porém, com montante salarial correspondente as horas efetivamente trabalhadas. O projeto aprovado na Casa de Leis determina ainda que os trabalhadores que optarem por mudança nas horas trabalhadas não terá possibilidade de fazer hora extra e a alteração será definitiva.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook