Polícia apura suposta agressão a deficiente na Cetrem de Ribeirão Preto

Segundo denúncia, rapaz foi agredido no olho; diretor da central diz que ele caiu após crise convulsiva

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Da reportagem

Reprodução / WhatsApp

Polícia investiga suposta agressão na Centrem (foto: Reprodução / WhatsApp)

 

ATUALIZADA ÀS 19H 

A Polícia Civil vai investigar uma suposta agressão a um homem com deficiência na Cetrem (Central de Triagem e Encaminhamento ao Migrante/Itinerante e Morador de Rua), em Ribeirão Preto.

O rapaz, de 32 anos, é aluno da Apae, onde fica durante o dia. Ele ficou órfão há cerca de 40 dias e é levado para dormir na Cetrem.

No sábado (18), o presidente da Câmara Municipal Rodrigo Simões (PDT) recebeu a denúncia de agressão. “Liguei para o secretário da Assistência Social para cobrar uma posição e ele disse que o jovem estava bem acolhido e que não havia acontecido nada”, diz. “Mas, não foi isso que nós vimos, pois recebemos fotos do rapaz com o olho roxo.”

Na manhã desta segunda-feira (20), foi registrado um Boletim Ocorrência de Lesão Corporal e o homem realizou exame de corpo de delito.

Segundo a delegada responsável pela Central de Polícia Judiciária Patrícia Buldo, o rapaz possui uma lesão circular no olho esquerdo. “Se é ou não agressão física, ainda precisa ser apurado”, afirma. “Ele passou pelo exame de corpo de delito e vamos aguardar o laudo para confirmar o que realmente ocorreu. Mas, há a suspeita de agressão”, reforça.

A delegada diz ainda que está sendo providenciado um novo local para o rapaz ficar. “Não dá para devolvê-lo à Cetrem, pois pode ocorrer de novo”, frisa. “A Cetrem cumpre a função dela, mas não para cuidar de uma pessoa que necessita de atenção especial”, completa.

Em coletiva na tarde desta segunda-feira (20), o secretário de Assistência Social e vice-prefeito de Ribeirão, Carlos Cézar Barbosa, negou falha na Cetrem. “Existe um problema no município que é a inexistência de instituições de acolhimento à pessoas com deficiências”, disse.

Barbosa afirmou que uma sindicância foi instaurada e se for confirmada a agressão por usuário do abrigo, este terá sua permanência suspensa. “Obviamente, se foi um funcionário, ele será punido”, garantiu. “O que nos tranquiliza é que o jovem está bem e já está sendo encaminhado para a família”, reforçou.

Segundo o vice-prefeito, há parentes que estão em busca da curatela do deficiente e que irão acolhê-lo. “Mas, até que ele seja acolhido pela família, ele continuará na Cetrem. Mas, lá, estamos tomando todos os cuidados possíveis para preservá-lo”, conclui. 

Outro lado

De acordo com Eduardo Barbosa, diretor da Cetrem, o rapaz está no local desde 27 de janeiro. Barbosa conta que, na última quarta-feira (15), quando foram buscar o rapaz na Apae, foi informado que ele tinha crises convulsivas.

Ao chegar ao abrigo, ele não quis se alimentar e teve outra crise. Então, foi levado à UBS, onde passou por atendimento médico. Liberado, ele retornou ao abrigo, onde caiu durante a madrugada.
Barbosa diz que, ao questionar o rapaz sobre o que havia ocorrido, ele disse – na frente de profissionais da Apae – que havia caído. “Estou fazendo uma investigação interna para confirmar os fatos, se ele realmente caiu ou se foi agredido, para tomar as devidas providências”, afirma Barbosa.

 


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.